Blog Archives

COM TODOS OS DENTES

13217205_1396008250424808_4601017311041890814_o

Raramente se ouve a expressão “homem maduro”. Madura é normalmente a fruta e a mulher. Desde que me lembro, que oiço as pessoas dizer que as meninas são mais maduras que os rapazes, numa idade em que tudo o que deviam ser era fruta verde. Depois crescemos, de meninas passamos a mulheres e o epíteto de madura, ganha a forma de uma pessoa densa.
Não sei se quero ser madura. Não, sem antes perceber se madura é como a fruta macerada que ganha manchas acastanhadas do calor e da apalpação. Preferia quando me portava bem e as tias “maduras” me diziam apenas:
– Estás uma menina crescida.
Dessa maturidade marcada que vem do uso excessivo não gosto. Mas adoro o pressuposto da mulher vivida, embora quase todas estas expressões remetam para um universo relacional cheio de peripécias e meios finais. No fundo, acho que não gosto de ambas as expressões: “mulher madura e vivida”, soa-me logo a alguém de casaco com borbotos, ombros curvos, muita base, olhar demorado sobre o chão e o infinito.
E quando oiço dizer ela é muito mais madura do que ele, penso que isso deverá reflectir 99% das relações que conheço.
Talvez tenha dado jeito à economia forreta das relações, que as mulheres sejam maduras há muito mais tempo que os homens. Talvez dê jeito, ao desmazelo fantasioso de alguns habitats partilhados, acreditar que todo aquele tempo se viveu com o Peter Pan. Mas isso não faz da mulher madura um Capitão Gancho, faz nos pesadas, complexas, empedernidas.
Eu não quero ser mulher madura, quero ser a Windy descalça no parapeito da janela, pronta a voar na leveza dos sonhos que não envelhecem. Eu não quero ser mãe de filhos e de marido.
Essa maturidade camuflada em competência, eu dispenso.
Até porque consta, que para ser dispensada, basta apenas não crescer. Então talvez eu prefira a solidez altiva da fruta verde, à maça caída sobre o chão. Mesmo que isso signifique que numa só trinca venha o fim de toda a dentição.
Porque a verdade das boas relações é que elas se querem vividas com todos os dentes.

Comentar

Os sonhos são meus

10708584_1251788244846810_2157089126320033842_o

Nunca quis ou desejei, ter uma filha que se parecesse com aquilo que sou, ainda menos, com aquilo que ainda não sou.
Ou dito de outra forma, com aquilo que sonhei de mim para mim.
Nunca projectei ao redondo da minha barriga a execução plena dos projectos que vou deixando em stand by.
Os sonhos são meus.
Cabe-me a mim a divisão árdua do tempo e o risco de decidir como me quero fazer pessoa. Não me passa pela cabeça deixar sobras dos meus talentos na esperança de as colher maduras num filho. Nem me lembro de alguma vez ter olhado para as minhas filhas à procura das parecenças nas coisas boas que admiro em mim. Quando elas despontam, despontam. Como a graça de um raio de sol num dia carregado de nuvens. Ou os pingos de chuva numa tarde tropical. Ou uma máquina fotográfica a tremer na mão pequena. Ou um poema ritmado escrito com erros repetidos.
E outras graças hão de despontar nelas, que nunca nasceram em mim.
Não ignoro a influência que tenho, sobre o mundo que sonham e a forma como se moldam a partir de mim. Sou fotógrafa e gestora e escritora e conspiradora, mas o que eu gostava mesmo é que elas conseguissem ver a vida sem filtros, que amassem as pessoas inteiras, com todas as suas linhas, desalinhas e imperfeições. Gostava que amassem o belo, sendo a verdade das coisas a beleza na sua essência mais sólida. Gostava que conspirassem muito, para alargar a visão dos factos, para além dos factos em sí. Gostava muito que soubessem construir com as palavras certas, as metáforas que mais se ajustam às suas vidas. E gostava muito, que um dia, quando tivessem filhos, se assim o desejarem, se lembrem que ninguém faz de alguém, alguém, sem se fazer a si primeiro.
E o Mundo precisa disso, de pessoas inteiras. Para os sonhos não virem às parcelas, só porque nos fizemos pequeninos para sonhos maiores.
Mas isto é só um sonho.
E os sonhos são meus.

Comentar

Cancro (era uma vez)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography76

A convite da Fundação Rui Osório de Castro, instituição de solidariedade social sem fins lucrativos que apoia a oncologia pediátrica nas áreas da informação e da investigação científica fui fazer uma foto reportagem de um workshop de moda para crianças ao Atelier do designer Filipe Faísca.

As crianças para o qual tinha sido organizado este workshop eram crianças em ambulatório do IPO. Meninas cuja as vidas já tinham sido atalhadas por uma dose gigante de maturidade e sofrimento que dá pelo nome temível de Cancro.
Nunca privei de perto com a doença, quis a vida que até agora fosse poupada do confronto directo com essa mutação cobarde que não se anuncia, nem se faz esperar. Infelizmente, conheci e conheço como toda a gente, pessoas e famílias que foram violentadas pelas várias faces desta doença. Já assisti a mudanças de rota, de destino, de vida e de carácter. Já percebi, sem um assalto à mão armada, o que estas seis palavras em diagnóstico podem produzir num ser humano, enquanto se reproduzem à revelia nos nossos corpos. Todos temos medo.
Um respeito mudo sobre a doença, que cala muitas das nossas vezes a nossa vontade imediata de chorar sobre quem sofre. Todos desejamos. Sentir no colo firme da Esperança que a ciência corre a galope para nos safar.
Meninas com ou sem cancro, são todas meninas.
Tudo o que uma criança ambiciona, sem ambição que lhe dê esse nome, é ser criança em pleno, sem ter que interromper o recreio da vida para brincar às escondidas com a morte.
Dá pena, dá muita pena.
E não encontro palavra mais verdadeira para tudo o que me toma. Comparo-as inevitavelmente com as minhas filhas, sinto-me abençoada. Quero oferecer parte da sorte que tenho aos seus Pais. Penso neles, parte da minha dor alheia está com eles. Não imagino nada mais cruel que a luta pela vida de um filho. Não imagino os depósitos de confiança e amor que são necessários para acordar todos os dias inteiro para lutar.
Imagino que o que sonham os pais a caminho do ambulatório descreve parte das rotinas de que me queixo. Imagino-lhe as saudades de tudo o que é absurdamente normal. No domingo foi o dia Internacional da criança com o cancro mas estava tão cansada do peso do dia absurdamente normal, que não consegui publicar este texto.
Estamos na época do Carnaval, das máscaras e do faz de conta. E tudo o que eu queria, se fosse fada de condão, era que essas crianças não tivessem que se mascarar de nada, que não fosse apenas o de serem crianças.
E que a palavra cancro fosse apenas um reino longínquo, sem mágoa ou sem castigo de que se falasse ao de leve nos livros do faz de conta.

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography95

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography52

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography91

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography84

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography83

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography82

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography72

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography70

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography64

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography90

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography61

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography58

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography54

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography47

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography46

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography43

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography41

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography33

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography31

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography29

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography25

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography23

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography21

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography19

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography18

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography16

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography14 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography13

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography12

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography08

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography07 (1)

 

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography06 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography04

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography03

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography03 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography02 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography28

Comentar