Blog Archives

#NÃO AO MEDO

12248235_1252934108065557_7715278245250812367_o

#NÃO AO MEDO

Devia escolher esta imagem para ilustrar um momento mais feliz, mas não dá para sobrevoar o que está a acontecer…e continuar planando sobre o ar quente dos dias, só porque o bafo que nos sustenta teve a sorte aleatória da melhor hora, do local certo e da circunstância boa.
E não dá para querer cortar as asas de quem sonha voar para longe de um chão que não o deixa crescer, poisar sequer, ou semear.
E menos ainda, desconfiar de quem quer ser livre, só por quem nunca sentiu antes, a asfixia da liberdade.
Nestes dias, em que ficamos com poucas certezas, encontro na forma como as educo, a minha pista de descolagem.
A consciência da sua dimensão na dimensão do mundo. A importância das suas acções na condução do seu destino. A crença na humanidade. O amor aos outros. A luta pela liberdade. A defesa da igualdade. E o amor à terra. E se der para ir mais longe no meu vôo de mãe, quero muito, que os seus sonhos tenham a força de duas asas e que nunca tenham receio de se elevarem por aquilo em que acreditam.
Porque o céu não tem arame farpado, o sol não é uma estrela privada e o medo não ganha à força da Liberdade.

Comentar

Sorte: uma merda.

IMG_0267_8778

 

Dizem que tenho sorte. E eu fui procurar a definição no dicionário, para saber em bom português, exactamente o que tenho.

Dentro das 13 hipóteses que me dá o dicionário da Língua Portuguesa, houve duas que me chamaram a atenção: 9. Lote de Fazendas. 10. Sorteio militar para determinar, de entre os mancebos apurados, aqueles que serão efectivamente incorporados. Todas as outras (destino, fado, ventura, felicidade) são propriedades que não nego, com excepção feita à fortuna (se por fortuna se entender o dourado das moedas, porque se for o ouro dos cabelos das minhas filhas, sou bilionária).

E o que é que eu sei da sorte que tive, o mesmo que me diz o Senhor Zé da leitaria, Trabalho. A mesma sorte que só no dicionário é que chegou ao pódio antes do suor.

Como não gosto do discurso da vítima, filha menor da família disfuncional, como sei que a tristeza de uma história predispõe para a clemência, e da clemência à brandura, perde-se logo a bravura.

Prefiro dizer que a sorte que tive, se é sorte que é, tem tudo a ver com a forma como encaro, e como me faço à vida. Essa “filha da mãe” indomável que nos diz ao ouvido que podemos ser tudo, e depois não parece dar-nos tudo o que precisamos para sermos exactamente o que queríamos. Talvez um dos bons legados que posso deixar às minhas filhas seja a forma fermentada com que fiz dos meus fracassos a sombra dos meus dias felizes. Talvez lhes possa contar como fui teimosa em escorraçar a tristeza, e talvez lhes possa dizer que nunca me apoderei de nenhuma história do passado, que nunca a embrulhei em trauma, e que nunca a servi como aperitivo antes de mim. Que a maior lição que aprendi veio do sorriso, de fugir da água morna dos dias tristes, das pessoas tristes e das histórias tristes. O que me ensinaram as pessoas que passaram pelas histórias mais tristes foi a esperança que lhes valeu, os dias em que foram felizes e a força que tiveram para o resgate desses dias.

O segredo talvez seja fazer do facto mau, o adubo possível do que é bom. Não é o excremento que fortifica a terra?

E a Sorte? Uma merda.

 

 

 

 

Comentar

Cancro (era uma vez)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography76

A convite da Fundação Rui Osório de Castro, instituição de solidariedade social sem fins lucrativos que apoia a oncologia pediátrica nas áreas da informação e da investigação científica fui fazer uma foto reportagem de um workshop de moda para crianças ao Atelier do designer Filipe Faísca.

As crianças para o qual tinha sido organizado este workshop eram crianças em ambulatório do IPO. Meninas cuja as vidas já tinham sido atalhadas por uma dose gigante de maturidade e sofrimento que dá pelo nome temível de Cancro.
Nunca privei de perto com a doença, quis a vida que até agora fosse poupada do confronto directo com essa mutação cobarde que não se anuncia, nem se faz esperar. Infelizmente, conheci e conheço como toda a gente, pessoas e famílias que foram violentadas pelas várias faces desta doença. Já assisti a mudanças de rota, de destino, de vida e de carácter. Já percebi, sem um assalto à mão armada, o que estas seis palavras em diagnóstico podem produzir num ser humano, enquanto se reproduzem à revelia nos nossos corpos. Todos temos medo.
Um respeito mudo sobre a doença, que cala muitas das nossas vezes a nossa vontade imediata de chorar sobre quem sofre. Todos desejamos. Sentir no colo firme da Esperança que a ciência corre a galope para nos safar.
Meninas com ou sem cancro, são todas meninas.
Tudo o que uma criança ambiciona, sem ambição que lhe dê esse nome, é ser criança em pleno, sem ter que interromper o recreio da vida para brincar às escondidas com a morte.
Dá pena, dá muita pena.
E não encontro palavra mais verdadeira para tudo o que me toma. Comparo-as inevitavelmente com as minhas filhas, sinto-me abençoada. Quero oferecer parte da sorte que tenho aos seus Pais. Penso neles, parte da minha dor alheia está com eles. Não imagino nada mais cruel que a luta pela vida de um filho. Não imagino os depósitos de confiança e amor que são necessários para acordar todos os dias inteiro para lutar.
Imagino que o que sonham os pais a caminho do ambulatório descreve parte das rotinas de que me queixo. Imagino-lhe as saudades de tudo o que é absurdamente normal. No domingo foi o dia Internacional da criança com o cancro mas estava tão cansada do peso do dia absurdamente normal, que não consegui publicar este texto.
Estamos na época do Carnaval, das máscaras e do faz de conta. E tudo o que eu queria, se fosse fada de condão, era que essas crianças não tivessem que se mascarar de nada, que não fosse apenas o de serem crianças.
E que a palavra cancro fosse apenas um reino longínquo, sem mágoa ou sem castigo de que se falasse ao de leve nos livros do faz de conta.

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography95

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography52

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography91

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography84

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography83

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography82

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography72

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography70

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography64

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography90

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography61

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography58

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography54

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography47

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography46

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography43

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography41

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography33

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography31

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography29

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography25

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography23

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography21

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography19

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography18

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography16

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography14 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography13

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography12

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography08

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography07 (1)

 

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography06 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography04

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography03

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography03 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography02 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography28

Comentar