Não sou gaivota

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-21

Uma das coisas que me dá mais saudade são os passeios por Lisboa.
De Alfama, e sem ser de barco, chegava ao Castelo em minutos e punha a mão no Tejo em segundos. Sem falar da vista, que o alcançava em todas as janelas. E o que eu gostava daqueles cruzeiros estacionados no beiral da minha janela, com aquelas luzinhas amarelas e toda a gente em pé, no convés da chegada. O que eu adorava a percepção da sombra gigante a anunciar a partida. Tinha sempre poesia de todos os ângulos, quer fosse o trânsito dos navios, o voo paralisado das gaivotas contra o vento ou o tejo cinzento e amuado nos dias em que chovia. Este ano que aí vem vou procurar nova morada. Talvez não recupere o Tejo na minha janela, talvez tenha a sorte do rio desaguar num mar ainda maior, ou talvez abra a porta para um jardim esverdeado, permutado sem esforço à calçada lisboeta. Seja o que for e onde for é de ir. Gosto de fazer morada em várias moradas. E nunca me assustou a mudança, o que me assusta sempre é a paralisia lenta de ir permanecendo igual sabendo que não sou gaivota.

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-6

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-28

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-27

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-3

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-16

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-15

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-1

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-20

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-8

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-18

DC | look 5| Hotel Santiago Alfama-29

Comments

comments