Impulso noctívago

IMG_0038

A minha decisão de vir a Buenos Aires, foi um impulso noctívago no “Rumbo”, que veio no cruzamento perfeito entre a motivação da Mariana, o empurrão do Pedro e um copo de tinto. Para mim, não é fácil arrancar 3 semanas de viagem, sendo eu, empresária por conta própria (isto soa bem:)) e mãe de duas loirinhas (ainda soa melhor).
As razões emocionais e a Saudade Portuguesa, são de melhor logística, que encontrar amigas e amigos de confiança, que se atravessem a ficar umas semanas em Alfama com duas loirinhas turbinadas. A verdade, é que a paixão pela vida é a melhor babysitter do presente, poupam-se os euros, sensibilizam-se os amigos, amaciam-se as saudades e parte-se. Quando ia no avião ainda me debatia com os escrúpulos da boa consciência, chegada da Madeira, de partida para a América do Sul, um abraço rápido nas minhas miúdas, um beijo fugaz nas coisas que gosto, um adeus rápido às pessoas que amo. Quando acordei a primeira manhã em Buenos Aires, as mensagens que tinha eram justamente dessas pessoas, as que me curtem, que não deixam que perca pitada, que me dão o melhor colo da vida, a confiança e o orgulho em nós mesmos, que disseram “curte”, nós cuidamos das loiras, Alfama fica bem entregue, diverte-te, as loiras vão curtir connosco, vai e faz como sabes, sê quem tu és.
Vim de mochila cheia e ainda vou à Bolivia e ao Peru.
Sei que me competia na diplomacia das boas relações que vos trouxesse recuerdos, mas não tenho espaço, nem mãos para sacos. Quando chegar, devia por vos num SPA por conta e abrir a melhor reserva de tinto para o maior dos Obrigados. Mas as pessoas que gostamos tem esse dom, que é o melhor “ad in” de quem ama, nunca exigem nada, nada mais que o nosso regresso inteiro.
E há uma vantagem indubitável quando as mãos chegam vazias, não há qualquer desculpa para adiar um abraço:)) Obrigado Morena, “Até Velhinhos” e o sempre eterno Mr.E.

Comments

comments