Bebé Sandy

IMG_0597_3372Podia te passar a chamar Bebé Sandy, inspirada pela tempestade que varreu a costa leste do EUA. Numa escala mais caseira, tenho a dizer-te que desde que apareceste nas nossas vidas, nunca o imobilizado sofreu tamanho desgaste, nunca as paredes conheceram tanto grafite, nunca houve tanto boneco mutilado, zarolho e careca, nunca tive tantos saltos partidos, botões soltos, nódoas no sofá e impressões digitais avulso sobre vidros e janelas. Nunca tive tanta insónia, tanta rouquidão e tanto espalhanço em peças de lego. Marcaste da forma mais profunda as nossas vidas, a nossa casa, o nosso carro, a nossa roupa, as nossas rotinas, os nossos planos e a nossa definição de sossego, que acredita, já era bastante abrangente. Trouxeste contigo o fabuloso conceito da nódoa intemporal, das noites em sobressalto, da caça à chucha perdida às 3 da manhã (programa TOP da minha Hit List). Mas depois tens essa cara e Deus sabe desenhar tão bem, sacana! E eu que sou crente, converto-me de imediato, abro o meu coração e quando me chateias muito faço como diz no livro e dou-te a outra face, o outro colo, o outro beijo, o outro abraço e esqueço, como tu esqueces rápido. A tua sorte loira é mesmo o meu amor por ti e as amnistias sucessivas.

Comments

comments