Blog Archives

Amamentei as minhas duas filhas

YE2A6559

Amamentei as minhas duas filhas.

Confesso que tive alguma dificuldade na primeira leva, doía-me tudo, sobretudo a minha falta de jeito para cobrir os apetites vorazes da criança. Tive a sorte de ter tido um parto normal sem episiotomia. Regressei a casa em menos de 24 horas, ligeira como uma adolescente, com o peso recuperado e com uma filha nos braços.

Pouco li antes sobre os desígnios da maternidade. Assumi para mim mesma, que a seu tempo brotaria no meu corpo um intelecto de mãe, munido de um instinto maternal, suficientemente sólido, para dar conta do recado. Iria amamentar porque fazia parte do pacote e eu queria um “All inclusive” na minha estreia. Fui das sortudas que querendo, conseguiu. Não pegou de primeira, mas fui insistindo na vocação e a miúda agarrou-se como um bezerro. Sempre que saía levava a minha filha ao colo e sempre que era hora do leite, dava-lhe de comer. Nunca me atrapalhei, nem deixei que olhares pré-históricos me alienassem desse prazer. Como sou muito distraída, a maioria das vezes, não trazia o traje mais cómodo para a arte da amamentação. Mas em vez de me atrapalhar entre alças e botões, esgrimindo os cotovelos como marionetas, desembaraçava-me de preconceitos, colocava a criança sobre o colo das pernas e descobria o peito.

Era a mãe, insubstituível naquele papel, legitimada pela mãe natureza para o exercício e muito feliz. Quando tinha reuniões mais formais, tirava o leite e tentava deixar o bebé ao cuidado de algum familiar. Não o fazia por pudor, fazia-o por conforto para mim e para a criança. Gostava demasiado de dar de mamar, enlaçava-me naquele momento, queria-o desfrutar com carinho. Não me fazia sentido ter milhões de mãos a paparicar-me a cabeça da criança colada ao meu peito, e menos ainda, interromper uma ordem de trabalhos com um bolçar súbito ou um arroto e um “desculpe não percebi”.

Nunca julgarei nenhuma mulher que decida levar a criança, para um qualquer lugar permitido, permitindo a si mesma ser mãe. Nem farei disso escrutínio de parágrafo, porque é para mim tão natural como a chuva em Janeiro. Regressei há uns dias de São Tomé e quando estava na cidade de Neves a fotografar, esta mãe chamou-me e disse: – Branca! Tire uma fotografia bonita a uma mãe a amamentar!

Sorri, foquei e tirei a fotografia. Infelizmente, não tenho no meu arquivo de fotografias uma minha, em pose igual para recordar. Para mim, a amamentação não é apenas uma funcionalidade dada de forma casuística à mulher. É um rio que liga às duas margens: A mãe e o seu filho. Dar ou não dar de mamar é uma questão de livre arbítrio e só à mulher diz respeito. Mas se algum dia for mãe outra vez, hei-de querer tirar uma foto igual:)

http://capazes.pt/cronicas/uma-foto-igual-para-mim/view-all/

Comentar

Uma união singular

Dri & Pedro  Happily Ever After70 (2)JPEG2

A minha filha Camila é louca por um bom casamento. Há poucas coisas que a fazem tão feliz como simular no alto de uma cadeira que é um padre e que me está a casar a mim e ao Pedro.
Mesmo trocando as falas e os versículos, o pronunciar rouco do “declaro-vos marido e mulher” numa pespineta desdentada, derrete-me.
Mas não é dela que quero falar.
Quero falar sobre este casamento que fotografei em Julho na Herdade do Reguenguinho.
Passei lá à porta este fim de semana e lembrei-me.
Sabem? Não gosto particularmente de festas de casamento. Ainda menos de as fotografar.
Não digo isto por descrença à celebração do amor. Esse, move-me todos os dias.
O que não gosto em alguns casamento é a tensão, a tensão para que tudo corra sob os auspícios dos desejos partilhados entre quem ama, quem paga e quem manda. São poucos os casamentos que se soltam do predicado do sonho dos outros, e que celebram apenas o reflexo perfeito, de quem combinou juntar-se um dia entre amigos e família para celebrar a sua união. E nesta cerimónia foi exactamente isso que aconteceu.
Aceitei fotografar o vosso casamento porque foram vocês que o desenharam, no reflexo do que sentiam, sem ambições maiores que reunir à vossa volta, no vosso sítio, tudo aquilo que são.
E isso torna tudo tão fluido, que me senti mais uma amiga de polaroid na mão a tirar umas chapas avulso a uns grandes amigos.
Não há casamentos perfeitos. Mas há uniões singulares. E a vossa foi seguramente uma delas.
Fico a torcer pelo vosso amor. Com o desejo que ponham nele, a mesma autoridade, a determinação e o carinho, que colocaram em cada detalhe do vosso casamento.

Dri & Pedro  Happily Ever After08 (1)

Dri & Pedro  Happily Ever After97

Dri & Pedro  Happily Ever After38 (1)

Dri & Pedro  Happily Ever After81 (1)

Dri & Pedro  Happily Ever After04 (2)

Dri & Pedro  Happily Ever After13 (4)

Dri & Pedro  Happily Ever After32 (3)

Dri & Pedro  Happily Ever After65 (2)

Dri & Pedro  Happily Ever After16 (2)

Dri & Pedro  Happily Ever After85 (2)

Dri & Pedro  Happily Ever After81 (2)

Dri & Pedro  Happily Ever After30 (3)

Dri & Pedro  Happily Ever After16 (3)

Comentar

As Mães são sempre “Gigantes”

A última vez que fui mãe, em verbo imediato e parido, foi há quase 7 anos. E não tenho grandes memórias da minha gravidez. Não no sentido mau, do património acumulado, até mais, no sentido bom.
Foi tudo tão desejado e depois tão tranquilo, que nem os pontos que não levei, me ajudam a recordar, o preciso momento em que as minhas filhas saíram da minha barriga para o meu colo.
Tenho reminiscências de um ternura desmedida, da vontade que tinha de lhes conhecer as feições e de um “cagaço” sincero de tudo o que ia mudar, a minha vida, o meu corpo, o meu destino.
Hoje falei com a Mariana, que fotografei há uns meses, grávida de gémeos.
Numa conversa curtinha, recordei tudo o que nos enche quando o medo é sacudido pela força dessa nova presença.
Não fosse o regresso das loiras ao lar, e quase, quase, que invejava aquele momento, em que trazemos para casa um sonho multiplicado, uma equação pequenina que promete mudar tudo e um sentimento, que longe de se engasgar, vem selado para sempre.
Sempre gostei de fotografar grávidas, há uma paz tão serena, um poder tão grande.
A maioria julga-se enorme (de peso).
Eu, admiro-as da minha lente, gigantes (de pessoa) na condição soberana de mães.

MCD-7

MCD-2

MCD

MCD-4

MCD-6

MCD-8

MCD-9

MCD-10

MCD-11

MCD-13

MCD-12

MCD Boom

Comentar