Blog Archives

Não costumo andar com elas à vez

YE2A2487

 

Embora Lisboa estivesse cheia de luzes e de charme. Embora eu sentisse umas saudades gigantes das minhas ruelas de Alfama, perfumadas a sardinha, decidimos que o melhor programa para este fim de semana passado era rumar ao Monte no Alentejo.

Curtir o último fim de semana da saudade, antes de eu partir novamente em viagem daqui a umas horas.
Atende-se, que a palavra Viagem, embora associada à palavra Saudade, não se oferece a qualquer tipo de sacrifício. Porque a seguir ao amor que tenho aos meus, tenho uma paixão assolapada pelo mundo. Lá fomos nós rumo ao Alentejo, coxos de uma loira, que a Caetana já tem asas maiores e a festa de uma amiga, foi a desculpa necessária para pernoitar em Lisboa.
Não costumo andar com elas à vez, mas sabe bem curtir um filho de forma isolada, vê-lo revelar-se longe da influência dos irmãos, dos tentáculos do “quero ser” e “devo parecer” e “tenho que crescer”. Percebe-se muito de um filho quando o consumimos inteiro, sem divisão de qualquer espécie, quando o deixamos ser maestro do seu próprio ritmo. Assim, percebi-te mais dócil e mais crescida. Continuas a ser o meu Tom Sawyer, a menina dos caracóis despenteados, que não suporta andar com os pés calçados. Continuas a comer com o garfo e a faca trocados, e a deixar mais grão de arroz à tua volta do que aqueles que te foram servidos no prato.
Estás muito mais dependente, nota-se que as saudades do pai te colaram à mãe.
Mas não me importo. Às vezes pisas-me com muito força a tentar fundir-te comigo, mas o meu pescoço entrelaçado nessas mãos gorduchas é uma reserva de tinto:).
Adoro essa tua voz rouca e a gargalhada fácil, da piada, ainda mais fácil.
Finalmente começas a ler com jeito. Pode ser que um dia quando fores grande, sem mãos papudas e com a voz grossa, me entrelaces novamente o pescoço e soletres ao jeito doce de piada sincera: – Gos-to-de-ti-mãe.
Quanto a mim, vou te amando.

Comentar

Dias Duros

IMG_0131_3466

Estes dias são duros. O sol brilha. O céu está lindo mas o dia é duro na mesma. O pai das loiras regressa a África em trabalho e a hora de despedida molha os olhos das minhas filhas.
Elas já sabem que agora é assim, e por tempo indeterminado a tristeza determina-se. Tento ser forte, mais um mês e estamos lá, à dobrar o cabo das tormentas, atrás da esperança que lhe ficou como nome. Hoje foi um dia duro.
Os braços não queriam largar. E ainda que eu lá estivesse como a representação de tudo o que ainda fica, pesava mais a saudade antecipada de tudo o que ia. As malas gordas à porta também não ajudavam, o olhar desviado do pai amigo, do pai aflito. O abraço que não quer apertar de mais nem desapertar de menos e o beijo que tem medo de se demorar sobre a lágrima. Devia ser a força, o esteio, o suporte seguinte, o colo eterno, mas quando o dia é duro, quando a água lhes inunda os olhos, e a voz treme nas coisas que quer salvar, eu acabo sempre, por me desmanchar um bocadinho. Agora já passou, vai passando, o avião já está no ar, vai voando, as saudades dissipam-se e os pés sobre a terra descobrem de novo o seu lugar.
O dia foi duro, sim.
Mas quem ama, sabe que o amor é mais.

Comentar

“A MINHA LINDA FAMILIA”

YE2A9933

Estamos a estudar para o teste de Português da próxima segunda-feira e pedi à Caetana que escrevesse uma composição sobre a “Família” aproveitando o facto de ela estar a jogar no computador. E assim sem filtros, ou correcções, no dia em que celebramos a Liberdade, eu junto-lhe o Amor. E com a autorização da Caetana para partilhar. Porque Liberdade tem muito de respeito.
“A MINHA LINDA FAMILIA”
A minha mãe e o seu namorado, o Pedro costumam dizer: -ate velhinhos. Eu acho que é porque eles querem ficar juntos ”até velhinhos” , pelo menos é o que eu acho.
Mas vamos ao que interessa a minha família é muito adorável, para mim.
Quando o meu pai vai para fora, eu às vezes fico com os meus avós, por isso sempre que eu estou triste, a minha avó vai-me sempre contar histórias emocionantes de quando o meu pai era pequeno, eu acabava sempre por me rir das trapalhices que ele fazia,como:
Cair em possas de lama, chorar quando lhe faziam rir, rir quando caia ao chão e fazia algumas feridas, etc…
Mas eu sabia sempre que a minha avó só me queria fazer sentir bem, por isso estava feliz por fora, mas muito triste por dentro, porque continuava a ter saudades dele.
A mãe da minha mãe teve cinco filhos, dos quais quatro são meninas e um é menino.
O único filho que a minha avó teve é o meu tio e chama-se Duarte, quando eu era muito pequena, eu e ele divertíamos-nos à grande, eu adorei esses velhos tempos, foram muito giros.
A minha avó, está em Moçambique e a sua filha, a minha tia, está na Dinamarca, elas só me vêm visitar às vezes, mas quando me vêm visitar o mundo fica mais alegre.
O mundo de que eu estou a falar, é o mundo do meu coração, e que estará sempre aberto à minha linda FAMíLIA.”
Caetana S. | 25 de Abril de 2015

Comentar

“QUASE” UM BOCADO

IMG_0175_2093

O pai das loiras fez ontem anos e nós estávamos a banhos numa piscina interior num hotel fabuloso em Montargil e não fomos muito efusivas….
A verdade é que estávamos demasiado entretidas a expulsar os casais românticos da água quente.
Ainda lhe cantamos os Parabéns, mas os perdigotos de água, não lhe deram o compasso necessário para que ficasses convencido da sinceridade do nosso esforço.
Fiquei a pensar nisso.
O Viber também não ajudou e a rede nas planícies alentejanas é tão escassa como a juventude. E na viagem de volta, quando já parecia dar, viemos a conciliar o sono, com a paisagem pardacenta e a digestão das migas de espargos.
Como não te dissemos grande coisa ontem, dizemos-te agora, nesta carta aberta de Saudade, escrita a três mãos:
“Pai, tenho saudades tuas. Promete que quando voltares vamos brincar uma semana inteira. A mãe diz que está quase. Mas ainda falta “quase” um bocado” Camila
“Pai, ontem sonhei contigo. O Eugénio (o padrinho) tinha ido buscar o pai ao aeroporto e feito uma surpresa. Quando abri os olhos e vi o pai, fiquei tão feliz. Depois acordei e percebi que era um sonho. E fiquei tão triste. Tenho saudades do Pai. Muitas. E não quero dizer mais nada. Quero que volte.” Caetana
“Gonçalo, Muitos Parabéns! Sei bem o que te custa passar o dia de anos sem as miúdas. Elas têm muitas saudades tuas.
Mas o bom disso é saber que só sentimos muitas saudades das coisas que nos fazem muita falta. Volta rápido e bem.” Isabel

Comentar

Eu sabia que nunca te ia tirar uma fotografia.

IMG_0008_5151

Eu sabia que nunca te ia tirar uma fotografia.
Mas sempre soube que podia escrever o texto que quisesse sobre ti.
Ainda não sei bem o que é o que o tempo nos queria dar quando nos juntou. Não percebi o que é que a vida nos quis oferecer, nem o que é que nos tirou. Ainda não sei qual é a lição que vou levar do tempo. Nem por quanto tempo o vou sentir, com esse nome que se dá às coisas sem nome que se demoram em nós.
Não sei se o lucro infindável de tudo o que poderia ter sido, vai ser o melhor trunfo sobre tudo o que realmente foi.
Às vezes confunde-me não ter dor concreta, senão o vazio.
Ás vezes perco-me a recordar, sabendo que a minha imaginação generosa, convida e entrar no caos das memórias, cenas que nunca tiveram espaço, tempo ou circunstância.
Eu sabia que nunca te ia tirar uma fotografia.
Porque a paixão não é amiga dos arquivos, porque as borboletas não fazem ninhos em pastas de computador.
Eu sabia que nunca te ia tirar uma fotografia porque a força do que é agora, não se deixa embebedar pela promessa do que pode ser.
Mas eu não me importo.
Nem me importo das saudades que tenho, porque lhes reconheço um capricho de uma história que não cheguei a viver.
Ás vezes procuro-te no amanhecer, só porque preciso para o meu sono um pouco da nossa escuridão.
Eu sabia que nunca te ia tirar uma fotografia.
Mas sempre soube que podia escrever o texto que quisesse sobre ti.

Comentar

No epicentro do recreio

IMG_0201_7105

Fui à escola das loiras à hora do almoço para entregar uma surpresa à Caetana e dar um beijo de saudades na Camila. Cheguei bem no epicentro do recreio, na debandada da hora do almoço. Eram tantas as crianças que não conseguia vislumbrar as minhas, era tanto o barulho que o meu cérebro não conseguia comandar os olhos numa busca e os meus membros estavam tão intimidados que não se queriam mexer. Ingénua, ainda pensei que se me quedasse muda e hirta ia ser descoberta pelas crias, amparada pelos seus abraços pujantes, sacudida pelos beijos da saudade. Passaram-se minutos e nada. Iniciei a busca ocular, movi o corpo por entre os seres pequeninos. De repente, pareciam-me todas loiras, todas elas. Vi uns adultos iguais a mim, quedos e hirtos mexendo o pescoço em cata-vento. Sorri como quem solidariza, não estou só, pensei. Passaram-se mais uns minutos quando ouvi uma voz. – Mãe!
O meu descodificador acusou um laço parental naquela voz, a minha cabeça virou-se e o meu coração deu sinais de impaciência. Uma já cá canta, pensei. Não, não pensei. Abracei-a com exagero, percebi-o no olhar das amigas e no desatar escorregadio dos braços. O recreio é o palco das crianças, demonstrações afectivas sim, mas devidamente enquadradas e com discrição.
Eu respeito. Muito. Também já fui miúda pequena e apesar da minha mãe não ser dada às visitas surpresa na hora do recreio, imagino o meu embaraço se fosse. Aquele abraço exagerado que a mãe aperta com culpa na semana que é do pai. Percebo-te.
Mas tinha saudades tuas. Disse “Olá” às tuas amigas com muita simpatia mas sem grande exagero. Sei bem, que tudo o que tu queres nesta idade é que tudo seja normal. Mãe normal com saudades normais. Despedi-me com um beijo normal, disse que te adorava, como faço normalmente. E parti em busca da cria menor. Quanto mais pequeno mais difícil. Como já estava com a maternidade em red light vi-te logo. Corrias como uma seta atrás de um menino. A tua gargalhada era tão boa que até parecia que os dentes de leite iam à frente do corpo. Estiquei o braço para te agarrar. Percebeste que era eu e travaste o passo. Voltei a descer e abracei-te com força as pernas. Já não fui a tempo de ser normal. E como faço normalmente, disse que estava cheiaaaaaa de saudades tuas. Sorriste sem grande reciprocidade de gesto, a tua cabeça vigiava o movimento dos teus pares. Estavas num jogo da apanhada, mas não para ser apanhada por mim. Dei-te um beijo grande e respirei o cheiro dos teus caracóis. Levantei-me e saí do recreio com um andar normal e um coração saciado. Quando estava quase a dobrar a esquina, oiço a voz da Cria grande: – Mãe!!
Vieste na minha direcção, abraçaste-me as pernas e quando ia curvar a cara para me aproximar da tua cabeça, olhaste-me nos olhos e disseste baixinho, mas com muita força: – Amo-te.
E eu sai do teu recreio anormalmente feliz.

Comentar

– Ó mãe…

IMG_0413_2331

– Os nossos bisavós são aqueles que já morreram?
Pergunta-me a Camila no carro.
– Nem todos os que morreram são nossos bisavós. Mas sim, os bisavós da Camila já morreram.
– Quem eram os meus bisavós? Insiste a Camila.
– São os avós da mãe e do pai. Respondi.
Não sei se as perguntas se ficavam por aqui. Mas quando falou nos bisavós bateu uma saudade das grandes do meu. Eu apanhei o isco e descosi sobre o tema, divagando, como se divaga em paixão na vida, quando alguém nos pergunta sobre alguém que amámos muito (e que já partiu).
– O bisavô da Camila, o meu avô, foi o homem mais importante da minha vida. O meu avô foi o meu pai verdadeiro. O homem que moldou o meu carácter, a pessoa mais boa que já conheci.
A única, cuja a ideia da ausência em vida já fazia doer. O avô foi o homem que me levou à igreja quando casei com o pai. O homem que ensinou à mãe o que é Amor, e que todos os dias me acorda para o lado bom da saudade. O homem que encheu as medidas do meu coração. Tenho muitas saudades do bisavô da Camila, mesmo muitas…
A Camila ficou calada. No silêncio do carro, ganhei consciência que me alongara na adjectivação porque a humildade não deixa na pobreza da linguagem aqueles que mais amamos.
Sorri de mim para mim. E quando já estava a estacionar o carro, a Camila pergunta a medo:
– Ó mãe…eu tenho que gostar das pessoas que não conheci?
– Não meu amor. Nem mesmo de todas a que conhece.

Comentar

Vais ser mãe, Caraças!

IMG_0011_8080

Não atendeste o telemóvel e eu avancei.
És das pessoas mais discretas que conheço, mas também és a minha melhor amiga. Condescendo, que algures na constituição da nossa amizade, devo ter um crédito de Excessos(não respondas aqui LOL), a certeza absoluta do teu perdão e o direito a uma amizade sem condições.
Vais ser mãe, Caraças! Ainda nem acredito.
E não podes beber vinho, acho que foi a primeira coisa que te disse, mesmo antes dos Parabéns:)
Eu vou ser madrinha (corajosa), e a minha Maria Ana, vai ser a mais recente #filhadamãe. Princesinha da minha objectiva e musa da minha gramática:) Mas isto não é nada, este textinho introdutório, é só para avisar que mais logo, vou publicar um texto que escrevi sobre a nossa amizade numa época em que nos limitávamos a ser umas #filhasdamãe como deve ser.
Tenho saudades disso e de ti.
Atende o telemóvel sff.

Comentar