Blog Archives

#TheWineConspiracy

905536_1245859448773023_7141990200321746220_o

#TheWineConspiracy

Não é uma desculpa para beber bom vinho, mas podia.
Também podia ser um excelente alibi, para partilhar algumas das minhas histórias e talvez até seja.
Não é uma desculpa sofisticada para degustar tábuas de queijos e dar boas gargalhadas, mas também há disso.
E também pode ser um palco de partilha, uma reunião de potenciais amigos, uma prova de vinhos e uma viagem ao interior de nós mesmos…e talvez seja isso TUDO.
Dia 9/11 abrimos-vos as portas à conspiração.

“Da vida para o vinho. E do Vinho para a vida”.

Equipa:
Luana Cunha Ferreira, Psicóloga
Manuel Moreira, Sommelier
Sérgio Antunes, Sommelier

Comentar

CADA RELAÇÃO ENCERRA A SUA VERDADE

11015862_1243070315718603_543529516995443760_o

Não sei se os homens e as mulheres vêm de planetas diferentes. Os que conheci, partilharam todos o calor do útero de uma mulher. Sei que por norma, nós mulheres falamos mais, se calhar demais. Ou falarão eles a menos, e do menos que nós queremos ouvir.
As melhores relações que conheço são participadas dizia uma senhora bem posta no café, mas não sei bem o que é que isto quer dizer. Acredito na democracia de uma relação, o termo faz-me sentido. Sou uma liberal e gosto de me privatizar na intimidade com a pessoa que amo. Mas preciso que me deixem respirar entre as braçadas da vida e os abraços apertados.
Às vezes, como todo o eleitor experimentado gostava de mergulhar numa monarquia de cordel. Mais precisamente, na pele da princesinha enfastiada, que só tem que escolher a cor do recheio do éclair.
Queria um décimo da autoridade que exerço sobre as disciplinas da minha vida.
O sonho de habitar numa corte….e só ser invadida, de quando em quando, pelo calor reconfortante das decisões já tomadas.
E queria tanto, mas tanto, que os eleitos do nosso coração, percebessem que há um Pause para cada Play, que a forma esfuziante com que exibimos os nossos feitos e as descrições adjectivadas das nossas acções infinitas, não eliminam a necessidade do cetim almofadado e da gargalhada do bobo.
É uma sensação tramada, chegar ao alto ermo da montanha e ter inveja do pastor deitado no seu sopé.
Fica a parecer que a senhora liberal e “bem-posta” do café curto, quer voltar à caverna burguesa da princesinha.
Quando tudo o que ela queria era ter um décimo da autoridade exercida sobre as disciplinas da sua vida.
Cada relação encerra a sua verdade.
E os universais são tão perigosos como qualquer frase que comece com “ele era ideal para ti…”.
Talvez a verdade da minha esteja naquele café liberal bebido como um bobo, no sopé daquela montanha à sombra de um castelo, na companhia acetinada de um príncipe com ideias de pastor.
Ou talvez…eu queira apenas um décimo da autoridade que exerço sobre as disciplinas da minha vida.

Comentar