Blog Archives

( mais, pelas) AMIGAS

AG19

Sempre adorei estas sessões de amigas. Lembram-me das coisas que ainda quero fazer com as minhas.
Lembram-me da urgência do tempo. Dos milhares de fins de semana combinados em noites de conversa boa. Lembro-me inevitavelmente das histórias que ficaram por acabar.
Da forma como crescemos rápido. A Maioria emparelhadas e já com filhos. E como agora tentamos encaixá-los nos nossos serões.
Devíamos dar sempre tempo a este tempo nosso. Porque a gargalhada da amizade enrijece-nos, torna-nos mais imunes, mais capazes.
Porque o tempo passará sempre. E será sempre melhor neste passar acompanhado.

AG04

AG41

AG37

AG31

AG16

AG21

AG07

AG13

AG39

AG27

AG11

AG50

AG43

AG46

Comentar

O sonho mais desejado

As sessões fotográficas de gravidez têm sempre uma luz especial. Aquela que vem de dentro.
As fotografias carregam sempre uma ar etéreo, próprio de quem levita no sonho de tudo o que está para vir. É difícil não parecer piroso, quando de piroso só há o genuíno de ser inteiro e feliz naquele momento.
Gosto destas sessões porque há um depósito tão grande de solidez e esperança que saio de lá a acreditar em tudo.
Um beijinho enorme para a pequena Mia, o sonho mais desejado.

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography37

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography32

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography30

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography15

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography23

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography21

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography17

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography11

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography33

Sessão Marisa Tavares & Vitor  Mia Isabel Saldanha Photography35

Comentar

O fazer ocupa lugar

12375190_1275847722440862_3861744648100352888_o

Não tenho dado grandes notícias porque o fazer ocupa lugar.
Mas esta fotografia sintetiza “mais ou menos” o momento que ando a viver. Depois dos dois últimos meses a lutar pela manutenção das rotinas de estudo e da tranquilidade possível da vindima do lar, eis que chega o tão esperado pai.
A mãe alivia o cesto e passa a fermentação das uvas ao progenitor. Acredita que o fruto está podado da melhor forma possível e entrega-se ao cultivo privado do seu talhão: As palavras, as fotografias, as tertúlias, as viagens e o amor.
Estava tão habituada ao cuidado da vinha, que tive alguma dificuldade em largar a faca da poda, em poisar o cesto e olhar só para o meu terreno de cultivo. Não posso negar que este monopólio de mãe-cuidadora produziu um mosto tremendo de saudades das minhas filhas, mas para continuar a vingar no meu processo de autenticidade, preciso de cuidar do meu terroir para me fazer essência e depois vinho. Uma forma de sonho entornada na pessoa que quero ser. O natal está a porta, as uvas regressam ao fermento do lar e eu vou dar mais uns encostos de poda e mimo. Depois, posso lavar os cestos e deixa-las estagiar na barrica do pai enquanto dou um pulinho de mãos dadas ao Equador e deixo o vinho a respirar:)

Comentar

Teus critérios estéticos.

12039140_1229695933722708_2611769313233617514_o

Tiveste 1 hora e 20 minutos para tirares o cartão de cidadão.
Nesse tempo todo, tiraste 38 Fotografias que rejeitaste liminarmente, por não se encontrarem dentro dos teus critérios estéticos. Elevadíssimos, por sinal.
Foi difícil para a funcionária, perceber o cuidado com que te querias ver espelhada na tua documentação oficial, em vez da fotografia formatada de olhar estanque, “à bandido” como dizias tu.
Talvez fosse mais fácil, se ela soubesse que respiras fotografia e que depois das fotos que tiro, segue-se a selecção.
E que se seleccionam sempre as melhores. As que mais justiça fazem, a quem somos, como nos vemos e a quem nos damos a conhecer.
Mas podias não ter exagerado a seguir, utilizando o campo da assinatura para recriar o teu logotipo.
Simulando o teu “C” com o meu “S” dentro de um círculo fechado:) Enche-me de orgulho que transportes contigo as nossas referências, mas enche-me de pânico pensar que posso encontrar na fila da frente, alguém como tu:)))

Comentar

Há clientes e há clientes.

11856422_1197242140301421_3806097253344900288_o

Há clientes e há clientes.
E depois, ainda há os clientes, que para além de nos receberem com um abraço apertado, encerram as hostes com um branco gelado, que nos servem um queijo de cabra em pão fresco, que nos convidam a sentar, que nos ouvem, a quem ouvimos, com quem mastigamos, conversamos e rimos.
Clientes, que numa fracção de segundos, viram amigos.
Como se aquele momento, fosse apenas um reencontro de saudades selado com fotografias.
E ainda que o embalo do vinho ajude à peregrinação da amizade, é a forma como se dão em tudo, que define como tudo acontece, e que dita tudo o que virá a seguir.
Família gira a que vocês têm!
Mas muito acima disso, a cumplicidade desprendida, de quem sabe que a vida reina acima de todos os filtros.
Parabéns daqueles de quem faz anos todos os dias!

Comentar

Cartagena das Índias

IMG_0642

Ainda não tinha idade para ambicionar o Globo e já achava um delírio o nome da cidade “Cartagena das Índias*”, pronunciado de forma lenta e respeitosa. Imaginava uma terra mística, meio pirata, meio selvagem, lá longe num País mal afamado chamado Colômbia. Cartagena é muitíssimo turística e percebe-se bem porquê. Dentro das muralhas fortificadas abriga-se uma cidade colonial absolutamente encantadora. As portas de madeira grossa, as balustradas em madeira, as flores penduradas nas varandas a tentarem tocar as ruas, as carruagens de cavalo à turista (com aquele som fabuloso do casco sobre o chão de pedra), recantos para comer e beber tão acolhedores como casas abertas à rua, uma temperatura constante de 30 Graus e em cada esquina um cantar crioulo.
A cidade é cara, aproveita-se da concentração turística e faz dobrar os preços de Bogotá. Para quem dá valor à beleza das coisas, a verdade é que tem restaurantes saídos da Casa Décor, apetece reservar 3xs almoço e 4xs jantar. Confesso-me cansada dos sabores típicos da Colômbia, faz-me falta o paladar mediterrâneo, por isso, assim que posso e à falta de uma tasca portuguesa, vamos a um italiano do lado dar-lhe na focaccia impregnada de azeite, tomate e sal grosso. Amanhã seguimos para Medellin, terra famosa pela morado do Cartel de Pablo Escobar mas posso assegurar que Cartagena se ergueu acima dos meus sonhos de criança. Será um prazer se a vida me der uma oportunidade de aqui voltar:)
*O centro histórico de Cartagena, conhecido como a cidade fortificada, foi declarado Património Nacional da Colômbia, em 1959, e Património da Humanidade pela Unesco, em 1984.

IMG_0634

IMG_0620

IMG_0661

IMG_0652

IMG_0675

IMG_0728

IMG_0721

Comentar

O Bem Bom (versão mais ou menos)

IMG_0570

Ilude-se quem pensa que na Colômbia está o melhor do Caribe, entenda-se por melhor do Caribe, a imagem clássica das praias de água tépida azul turquesa, com uma areia tão fina que parece farinha e um areal cheio de coqueiros de verde saturado e umas casinhas de colmo em formato bar com a promessa de muita lima e muito álcool.
A ideia da viagem à Colômbia não era Praia e continua a não ser. As praias do caribe têm areia castanha pastosa, o mar é acizentado e o areal com excepção de alguns pontos a norte do caribe colombiano, não chegam aos calcanhares burgueses de um resort no México ou mesmo de um all inclusive em Punta Cana. A água é morna mas o mar é ondulante, fustigado pelo vento quente. E esqueçam as conchinhas à beira mar, que o mais certo são seixos de três cores difusos enterrados ocasionalmente no castanho lamacento. Na Colômbia vale a pena perder-se em algumas das suas cidades, nos pueblitos, na zona das plantações do café. Vale a pena conhecer a vibrante Cartagena das Índias e as paisagens do interior, onde circula uma das maiores biodiversidades do mundo. Existem alguns lugares como o Parque Tyrona e as ilhas que oferecem cenários mais encostados ao imaginário caribenho mas os preços são impraticáveis e continua a não compensar o desvio sobre o essencial da Colômbia.
Aterramos directamente em Bogotá, palmilhamos a cidade, mas acusámos o cansaço de quem ressaca de uma vida demasiado cheia e urbana. Era suposto seguirmos de Bogotá para Medellin mas optamos por vir directamente para Cartagena das Índias. Descobrimos a 15 km da cidade um pedaço de Caribe, castanho é verdade, mas suficientemente artilhado de colmo e palmeiras. Aqui, sem medos e peneiras, despojamos os corpos, o cansaço e os planos. Munimo-mos das havainas, do sol e assumimos de corpo e alma que o “Mais ou menos” era o nosso Bem Bom. Assim e mesmo conhecendo o que o globo tem para oferecer de paraíso, gozamos como quem não conhece, tudo o que já conhecíamos.

P.S.: É preciso acrescentar que este  hotel tem a particularidade de ser para maior de 15 anos o que é altamente convidativo, para quem soma 4 crianças em conjunto.

IMG_0548

IMG_0553

IMG_0521

IMG_0537 

IMG_0516

IMG_0508

IMG_0500

IMG_0496

Comentar

Bienvenida a Bogotá 6.6

IMG_0272

No ano passado tive em 3 cidades sul americanas, Lima, Buenos Aires e La Paz. Este ano vim a Colômbia com o Pedro. E quem é o Pedro? É um tipo giro que o meu coração recrutou há um ano para ser meu namorado.
E Bogota? Bogotá tem o cheiro gémeo às cidades que já visitei, um cheiro que é comum a todas as cidades sul americanas, e que tem a ver com os hábitos culturais e sociais, onde se misturam os vapores da cidade e dos costumes. O mesmo acontece ao cheiro das Áfricas quando lhe reconhecemos no odor a terra quente, a calda e o pó. Não sei bem categorizar o tipo de cheiro, sem correr o risco de ser ofensiva, mas tem um misto de fritura, com açúcar, com shampoo floral e gasolina queimada. Outra coisa absolutamente única é o compasso, o som, a musicalidade e a cor. É tão bom saber que há povos que não se importam de entornar o colorido da vida sobre as paredes das casas. Bogotá é assim, uma cidade onde as histórias se inscrevem nas paredes, onde a cor do tijolo ocre se funde com os gritos revoltados de um povo que não se inibe em fazer da cidade um cartoon histórico dos seus feitos. Ainda ando por aqui ando a namorar as igrejas caiadas de branco encostadas às encostas verdes da cidade, ainda andamos rua acima, rua abaixo na cusquice da vida mundana, desejosos de sorver conversas e paladares, como se os estômagos estivessem abertos para a melhor digestão da vida, viajar.

IMG_0285

IMG_0278

IMG_0251

IMG_0248

IMG_0232

IMG_0230

IMG_0227

IMG_0213

IMG_0170

IMG_0159

IMG_0017

Comentar

Eu juro que não digo a resposta

IMG_0519_6162

Ontem, enquanto estava a escolher a imagem para ilustrar o texto, a Caetana estava em pé ao meu lado.
Depois de muito scroll sobre as fotografias do pai, decidiu perguntar-me:
– A mãe acha o pai bonito?
Respondi-lhe que sim, claro.
Insatisfeita com a rapidez do meu atalho, reforça:
– Quem é que a mãe acha mais bonito, o pai ou o Pedro? (namorado da mãe)
Rí-me.
Para dar um empurrãozinho à resposta, ela acrescenta:
– A mãe pode me contar. Eu juro que não digo a resposta ao Pedro.

Comentar

Natal IKEA by #filhasdamãe

001IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

Se me dissessem há uns anos atrás, ou se calhar, mesmo há uns meses, que iria ser convidada para decorar um ambiente no IKEA não acreditava. Sei que por oposição ao “defeito” de profissão, era suposto possuir um sentido estético apurado, uma noção de enquadramentos e disposição espacial acima da média, mas nem por isso. O seu a seu dono.
Uma fotografia não é uma casa. Há uma imprevisibilidade associada ao momento de fotografar, que nada tem a ver com a amplitude de um espaço carente de recheio. A verdade é que me diverti como uma perdida. O convite surgiu na mesma semana que mudei de casa.
Por momentos dei-me a inconsciência e à doce irresponsabilidade. Larguei os caixotes apinhados na sala como presentes a cru, e fui para o IKEA de Loures às compras. Tudo o que tinha que fazer, depois de escolhido o ambiente, era comprar tudo, literalmente tudo o que achasse conveniente colocar nos carrinhos para decorar o meu espaço.
O mote era o Natal em família. Primeiro, hesitei, pensei dar-lhe um toque mais acético e fazer as paredes brilhar com as minhas fotografias, impressas em grande formato. Depois, caguei nisso, dei-me ao deleite do espírito e até que tivesse 4 carrinhos apinhados de vermelho e verde, não descansei. Não descurei as fotos, que estão lá nas paredes, com as filhas da mãe a curtir um verão no Meco.
Até uma mesa de Natal eu decorei, cheia de bolas cristalinas, guardanapos timbrados e palhinhas para as crianças. Sem que alguma vez me sentisse, com vontade de mudar de profissão, encarnei o espírito da coisa, e até que me sentisse sentada no bosque mais natalício da loja, não parei. Saí da loja eram 21h. Estava toda contente. Olhei várias vezes para trás, ofuscada pelo brilho excessivo do meu canto natalício, vaidosa pela concretização do desafio e enjoada de tanta bolacha de canela que comi. Dias depois regressei com as loiras. A Caetana ficou desconfiada que eu queria ser decoradora, olhou para todos os cantos, viu com atenção as fotografias e leu o texto do “stand-up” sobre a mãe com muita atenção. A Camila limitou-se a interagir com as bolachas dos potes e encostou-se no sofá a comer. Nesse momento fiquei com a certeza que elas se sentiam em casa, que o desafio tinha sido cumprido e que já podia voltar a pôr as mãos no pote:)

014IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography
004IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography
011IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

016IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

019IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

020IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

015IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

005IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography
021IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

022IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

006IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

025IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

008IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

003IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

010IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

023IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

012IKEA _& Filhas da mãe _  Isabel Saldanha Photography

Comentar