Blog Archives

NÃO, NÃO ANDO A FAZER M*A.

13320947_1413490595343240_8373285599554191375_o

Hoje publiquei uma frase na cronologia do Pedro a dizer: “Saudades tuas”.
Recebi dois telefonemas: Uma amiga que perguntava se o Pedro estava fora e outra, que com ironia sarcástica (que só a a amizade longínqua permite) comentava: – Deves andar a fazer m*a para tanta declaração de amor.
Ri-me. Não. Respondi. Ando a “fazer bonito”. Estou crescida, rematei.
Sei que nunca fui pessoa de grandes declarações públicas de amor, com excepção honrosa ao sangue do meu sangue, nas pequeninas pessoas das minhas filhas. Mas o tempo passa, sabes. Vamo-nos tornando mais senhoras da nossa vida, proprietárias orgulhosas das nossas conquistas, soberanas no que sentimos, orgulhosas por dar, vaidosas de puder estender a partilha aos que gostamos. Ao principio, revia com desconfiança as frases, tudo parecia excessivo, meloso, até falso. Mas ao primeiro “Enter”, é como o lacre numa carta ida. Sabe tão bem, que chega a virar vício. Não me interessa quem diz que não ha pachorra para isso. O que já não tenho mais mesmo é pachorra para viver por menos. Não sei o dia de amanhã, nem me angustia que as palavras lançadas hoje possam perder sentido nas coisas que lho retiram. Hoje amo, hoje gosto, hoje sou e hoje sinto. E sem qualquer eminência que o passar do tempo condene o que o hoje dita, lanço-me sem filtros ao amanhã.
Não, não ando a fazer m*a. Repito.
A mesma com quem já feri, quem um dia esteve uns passos largos de confiança à minha frente.
E não me venham com histórias. Nada é mais falso que acreditar que a verdadeira juventude da vida esteja na rebeldia dos erros.
E se assim for, que venham daí todas as rugas da verdade. Porque hoje, tudo o que me parece excessivo é o que guardo sentido sem o dizer. “Saudades tuas”.

Comentar

Sei bem, como as educo e deseduco.

11751446_1179994295359539_8683734547025248404_n

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sei bem, como as educo e deseduco.

E recolho o troco todos os dias, embora nem sempre, na justa medida do que lá colocámos em Amor. Mas isso eu também já sabia, porque antes de ser mãe eu já fui filha (da mãe).
Às vezes penso que as solto em demasia.
Sei que confio no mundo que me confiaram, e tenho a estranha sensação, que a sorte com que trabalhei, se estende como uma apólice de seguro sobre as minhas loiras.
Já tentei ser mais como achava, mas fala mais alto, tudo o que já sou. Não, não consigo prendê-las mais a mim.
Não consigo, não ceder à tentação de as ver dobrar seguras as esquinas, a atravessar confiantes os caminhos, a desenharem diálogos com as pessoas. E mais, não consigo ter medo de ser assim. Não consigo simular insónias com perigos e assombros. Não consigo pôr o coração ao batimento do pânico, de tudo o que pode ser, sobre tudo o que ainda não é.
E elas já são isso também:
A confiança em excesso, o medo que não se entranha, o sorriso preliminar e o passo acelerado para não perder pitada da vida.
E se há dias que sinto o “cagaço” de tudo o que arrisco, a maioria das vezes sinto a sorte de tudo o que recebo.
(Devo ter feito um Seguro do caraças!)

Comentar

Cancro (era uma vez)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography76

A convite da Fundação Rui Osório de Castro, instituição de solidariedade social sem fins lucrativos que apoia a oncologia pediátrica nas áreas da informação e da investigação científica fui fazer uma foto reportagem de um workshop de moda para crianças ao Atelier do designer Filipe Faísca.

As crianças para o qual tinha sido organizado este workshop eram crianças em ambulatório do IPO. Meninas cuja as vidas já tinham sido atalhadas por uma dose gigante de maturidade e sofrimento que dá pelo nome temível de Cancro.
Nunca privei de perto com a doença, quis a vida que até agora fosse poupada do confronto directo com essa mutação cobarde que não se anuncia, nem se faz esperar. Infelizmente, conheci e conheço como toda a gente, pessoas e famílias que foram violentadas pelas várias faces desta doença. Já assisti a mudanças de rota, de destino, de vida e de carácter. Já percebi, sem um assalto à mão armada, o que estas seis palavras em diagnóstico podem produzir num ser humano, enquanto se reproduzem à revelia nos nossos corpos. Todos temos medo.
Um respeito mudo sobre a doença, que cala muitas das nossas vezes a nossa vontade imediata de chorar sobre quem sofre. Todos desejamos. Sentir no colo firme da Esperança que a ciência corre a galope para nos safar.
Meninas com ou sem cancro, são todas meninas.
Tudo o que uma criança ambiciona, sem ambição que lhe dê esse nome, é ser criança em pleno, sem ter que interromper o recreio da vida para brincar às escondidas com a morte.
Dá pena, dá muita pena.
E não encontro palavra mais verdadeira para tudo o que me toma. Comparo-as inevitavelmente com as minhas filhas, sinto-me abençoada. Quero oferecer parte da sorte que tenho aos seus Pais. Penso neles, parte da minha dor alheia está com eles. Não imagino nada mais cruel que a luta pela vida de um filho. Não imagino os depósitos de confiança e amor que são necessários para acordar todos os dias inteiro para lutar.
Imagino que o que sonham os pais a caminho do ambulatório descreve parte das rotinas de que me queixo. Imagino-lhe as saudades de tudo o que é absurdamente normal. No domingo foi o dia Internacional da criança com o cancro mas estava tão cansada do peso do dia absurdamente normal, que não consegui publicar este texto.
Estamos na época do Carnaval, das máscaras e do faz de conta. E tudo o que eu queria, se fosse fada de condão, era que essas crianças não tivessem que se mascarar de nada, que não fosse apenas o de serem crianças.
E que a palavra cancro fosse apenas um reino longínquo, sem mágoa ou sem castigo de que se falasse ao de leve nos livros do faz de conta.

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography95

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography52

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography91

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography84

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography83

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography82

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography72

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography70

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography64

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography90

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography61

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography58

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography54

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography47

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography46

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography43

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography41

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography33

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography31

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography29

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography25

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography23

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography21

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography19

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography18

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography16

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography14 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography13

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography12

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography08

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography07 (1)

 

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography06 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography04

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography03

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography03 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography02 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography05 (1)

Workshop Filipe Faísca | Isabel Saldanha Photography28

Comentar