Blog Archives

JÁ “ERA” para SER.

11887572_1226364887389146_5425660555535751065_o

Não sou de boatos, superstições nem premonições.
Mas num mundo tão grande é nosso dever existencial estar a par dos medos circulantes. Eis-nos chegado a 2015, um ano que se vaticina ser o fim de uma Era. Não necessariamente o FIM da existência terrestre, apenas um reboot do sistema tal como o conhecemos.
Tenho mergulhado no tema nas poucas horas que permito ao pensamento fruir, sem angústia, as certezas do nada.
Imagino o fim da moeda, os grandes cataclismos, mas também imagino o adormecimento da tecnologia, o renascer da troca, a auto-subsistência, a paralisia da urgência, a reinvenção do zero.
E não me angustia.
Talvez me angustie mais o adormecimento geral em que nos encontramos na fruição incerta dos dias. Talvez me assuste ainda mais esta luta desenfreada para nos encaixar à força, numa rotina correcta que potencie o melhor de nós. Talvez alucine mais, quando penso em acordar todos os dias numa luta injusta contra o tempo.
Talvez me magoe mais, a força com que me escapa tudo o que não consigo agarrar. Talvez me atormente mais ainda, encaixar à força nas rotinas, que não nos potenciam, nas cirunstâncias que não nos empoderam e nas pessoas que não nos viciam.
Talvez me desespere ainda mais viver das memórias de tudo o que poderia ter sido, porque nada é, quando já foi.
Talvez o mundo precise desse “RESTART”.
Talvez sejamos privilegiados em viver numa Era que culmina na possibilidade da reinvenção. Talvez sejamos os felizes convidados da primeira plateia, da mudança mais dolorosa, e simultaneamente mais necessária.
Daquela mudança, que esperamos no mundo, porque não há maneira de termos força que chegue para nos rebelarmos dentro de nós.
Talvez seja esse o renascimento dos sentidos, o expoente máximo dos sabores, a viagem ao centro de nós.
E que seja aí, no precipício do fim, que a humanidade vislumbre o principio do “NÓS”, a vingança mais assertiva ao reinado do “EU”.

Comentar

És uma mulher do Caraças!

post revista

Às vezes nem sei por onde começar.
E depois há sempre um engraçadinho que nos diz: “Pelo princípio”. Mas tenho tantos princípios em mim, que o melhor mesmo é começar.
No passado dia 7, a Cristina Ferreira, apresentou publicamente um novo projecto.
Estava a milhas de saber o que era.
Tinha a certeza que ia ser Grande, mas ainda estava a apanhar as passas da passagem de ano e a tentar colocar, sem pressas, as rodas deste comboio, sobre os carris apressados da vida, para me perder em grandes congeminações.
Descobri nesse dia, que ias lançar uma revista mensal e que eu era parte integrante desse projecto. Descobri-o nas minhas mãos, com um exemplar que me foi dado e que dizia na primeira página:
“Esta é a tua página. Começa a trabalhar.”
E sei que para além da fotografia, fui convidada a ter uma coluna minha. E também sei que a revista sai para a rua em Março.
E isto é para ti: Muito Obrigado! Não seria justo, se te dissesse que não sei o que fiz para merecer, mas será ainda mais honesto se te disser que o continuarei a fazer.
E pouco me interessa o que dizem. Tanto como me interessou, os que já disseram, ou os que ainda dirão. A verdade mais crua é que tens a habilidade de fazer acontecer, a sensibilidade de te rodeares de pessoas apaixonadas pelo que fazem, a resiliência para levares adiante e a capacidade de te reinventares constantemente. És uma mulher do Caraças! E essas, eu também sei que as vou querer sempre perto de mim.

Comentar

Respirei Fundo, Só Isso.

YE2A1051

Não gosto de pôr demasiada pressão no último dia do ano. Há uma doce irresponsabilidade nas horas que achamos perdidas, que eu gostava seriamente, que continuasse a banhar o resto dos meus dias.
Estamos a 15 km da costa.
Hoje já fomos da terra ao Mar e do Mar à terra.
Já li os meus desejos para 2014, enquanto comia umas tiras de carne assadas na brasa junto à praia dos Aivados, já bebi um jarro de tinto da casa e comi uma mousse de chocolate. Já fui até praia do Salto brincar com as loiras, já tirei o instagram da praxe ao último pôr do sol. E não é que o criador se esmerou: acentuou os laranjas, reforçou os rosas, desenhou um set perfeito: uma maré baixa de prateados e pôs todas as poças da praia a reflectir o céu. Por uns minutos, as vozes enérgicas das loiras, enrolaram junto com a espuma do mar e eu consegui dar aqueles passeios solitários de 5 minutos à beira mar. Antes, eu achava coisa de velho melancólico, quando os via passar de mãos trancadas nas costas, passos arrastados a olhar o mar. Hoje, acho que já percebo. Um dos segredos da maturidade está sem dúvida na percepção do tempo. Não tive nenhum pensamento profundo nos 5 minutos que o criador fez reinar naquela praia, nas loiras à distância e no pôr do sol a enterrar no mar. Respirei fundo, só isso.
E tive a certeza que estou a crescer.

Comentar

Na Minha Carteira Até à Última Noite do Ano

20141218_4315

Há mais de 10 anos que escrevo os meus desejos num papel, dobro em 6 pedaços e guardo na minha carteira até à última noite do ano (não convém trocar de carteira).
Amanhã por esta hora, já terei escrito os desejos para 2015 e lido os de 2014. Estou com aquele entusiasmo de véspera de Natal. Confesso que não me recordo exactamente de tudo o que pedi. Mas tenho agradável sensação, de ter colhido muito acima do que sonhei. Aproveito que estou no Alentejo, que hoje já andei de enchada na mão, para comprovar que raramente se colhe acima do que se semeia.
Há algumas regras concretas na definição dos desejos:
– Devem ser concretizáveis no prazo de 12 meses
– Devem ser mensuráveis
– Devem ser específicos e objectivos
– Devem depender essencialmente de nós para a sua concretização
– Se soubermos muito bem o que queremos, podemos dar-nos ao luxo de ter dois extras:)
– Não vale pedir genéricos: Amor, Saúde e todo aquele vernáculo zodíaco generalista que nos iliba de tudo, porque não se pode pedir tudo.
Não é assim tão fácil, como parece, pedir.
Enfim, pedir até é fácil, mas na tarefa de definição dos desejos é um pressuposto que se vá ao fundo de nós mesmos, que procuremos aqueles vazios, os nossos buracos do queijo para preencher. Nem tudo o que desejamos muito nos preenche e esse é o primeiro erro, o mais fácil e o mais comum. Até podemos arrastar desejos de ano para ano, mas convém perceber se funcionam como uma cenoura ou se são vontades de outros, mascaradas de desejos nossos.
Nem sempre foi assim. Fui aprimorando a minha lista, como acredito ter feito com o meu carácter, e com a minha vida. Assim, cada ano que passa, sinto uma responsabilidade acrescida no balanço das minhas concretizações. Mesmo antes de desdobrar o papel, posso dizer, sem pedir licença, que sou muito feliz. E que a sorte, que alguns dizem que tenho, também depende deste exercício tão pequeno, nesta data tão sem importância em que se vira o ano.
Porque a verdade, é que nada virá a nós, se não nos virarmos a nós mesmos.

Comentar