Blog Archives

“Diz a Camila…”

12961441_1371913619500938_322925582363056722_o

Diz a Camila ontem num café:
-Mãe! Tenho um miúdo na turma do lado que é deste tamanho!
(E com os braços abertos, afasta as palmas das mãos uns 20 centímetros.) É anon!
– Não é anon que se diz Camila, é anão.
– É isso. É mesmo pequenino, mãe:)
Aproveito sempre e introduzo o respeito pela “Diferença” (nem sempre resulta):
– Os anões são mais pequeninos. – disse.
A Camila sabe que deve respeitar e ser carinhosa com as pessoas que são diferentes da maioria. Que nunca se deve gozar com as diferenças dos outros. E que sempre que vir alguém a gozar ou a fazer troça, deve fazer queixa ou chama-lo à atenção.
Diz a Camila, ansiosa por falar:
– Eu sei mãe, eu sei. Eu trato toda a gente bem.
Eu só queria pedir -lhe para ir visitar a aldeia dele, que deve ser o máximo!

Comentar

Houve um tempo

IMG_5265

Houve um tempo em que a minha janela se abria para um labirinto de portas. Em que a vida era toda buffet e eu era toda recreio.
Houve um tempo, em que o tempo era amigo e parecia demorar-se comigo no não ser nada. Nesse tempo, em que o tempo era esquecido de si mesmo, eu era feliz.
Nada era, nada se impunha.
Sem ambição de coisa alguma. Sentava-mo-nos eu e o tempo e o labirinto de portas à nossa frente.
Houve um tempo, em que o olhar demorado sobre a janela não pedia mais nada. Nada mais, que o olhar demorado sobre a janela. Nesse tempo eu existia, respirava, inalava e sentia, sem grande responsabilidade sobre cada uma delas.
E sem pressão de coisa alguma, sem a ambição de ser alguma coisa, eu tinha a estranha impressão de estar sendo, essa janela aberta para um labirinto de portas.

Boa semana* (acho que se nota, que estou a convalescer de um estado febril)

Comentar