Família Saldanha (mas não é a minha)

Estas tragédias que vivemos nos últimos dias reforçam-me sempre a importância da unidade da família.
E quando faço estas sessões penso invariavelmente na minha. Protejam sempre os vossos, na medida do Impossível, dos problemas predadores, do desmazelo das rotinas, das pressas dos dias, da tentação das paixões rasteiras. Fechem-se as vezes que precisarem de se fechar sobre vocês mesmos, porque não há bolha com maior capacidade de oxigénio que a dos nossos. E mesmo quando parece sufocante é como um abraço apertado num dia de calor. Não deixa de ser um abraço. Sou pouco de lamentar mas se tivesse a maturidade que tenho hoje tinha dado o meu peito a todas as balas. Tenho a sorte de ser testemunha nestes momentos que se repetem com famílias que vou acompanhando ano após ano. A ver crianças pequenas a ficar adolescentes e os pais a envelhecerem de mãos dadas. Não trocava o que faço por nada. E fecho-me com tranquilidade no triângulo delicioso da minha família.

Comments

comments