filhas da mãe

O tempo passou.

13217523_1396556480369985_4728143971581185249_o

O tempo passou. As coisas não complicaram. Ficaram diferentes. Parecia tudo mais pequeno, mais íntimo, mais controlável.
E de repente o mundo ficou enorme, o meu colo ficou pequeno e as vossas pernas esticaram. O amor que sinto por vocês alarga na mesma proporção com que tudo parece fermentar à nossa volta. Mentia se dissesse que não tinha saudades. Mas há um mundo inteiro à nossa espera.

Comentar

RECTA FINAL….

13131612_1395236110502022_4125092960461252896_o

Estamos na recta final do ano lectivo. Percebi isso, pela dificuldade que tive em encontrar um explicador de matemática que elevasse a negativa da Caetana para um Satisfaz. Também percebi isso pela súbita inflação do brio das minhas crias, na realização das tarefas propostas pelas professoras e percebi por acréscimo, que vem aí um tornado de 3 meses de férias….que é um rival à altura da negativa a Matemática. Aliás, não sei se a dificuldade da equação não o suplanta. Sem apoio de retaguarda é uma sensação de semi-pânico pensar em ocupar duas crianças durante 90 dias. Prolonga-las em Atl´s na escola, soa-me logo a namoro prolongado sem a chama da paixão, é preciso muda-las de cenário e pedagogia, afinal de contas, é para lá que regressarão no final da minha pena:)
Arrasta-las comigo é impensável, mantê-las em casa é um cenário de terror. Quando penso nas ocupações de tempos livres imagino-me, no mesmo transfer matinal, só que com menos roupa, se contarmos com a benevolência tardia do verão. E depois, não posso esquecer que há sempre lanches, material obrigatório e um cem número de tarefas para cumprir que fazem de mim uma espécie de mãe escuteiro.
Googlei “campos de férias longe” para ter a certeza que a motorista cá de casa apenas teria que cumprir o ponto de partida e o de chegada, mesmo que elas tenham que sair de casa naquele dia, com o saco de cama, a mochila oversized, o cantil preso no cinto, o casaco de frio atado à cintura e as chinelas enterradas à força no único bolso disponível.
Imagino-lhes logo o sorriso alado distribuído universalmente pelo rosto, a dimensão da aventura, o desbravar de novos mundos, os amigos estreantes, os hinos do campo à volta da fogueira, a roupa suja a acumular num saco e o meu sono, isento de insónias, livre de culpa, carregada de opções, com laivos ligeiros de saudade e muito vinho branco.
Quando era pequenina também tive que andar a sprintar a matemática.
Mas se há uma disciplina, que nunca nos ofereceu dificuldade cá em casa, e que nos lembra que no final de contas (estejam elas certas ou erradas) somos todas filhas da mesma mãe é o Estudo do Meio.
E mesmo que inferiorizado pelos seus pares, a verdade mais absoluta, é que não há Fim que valha, se não tivermos o Meio certo. heart emoticon

Comentar

“Bem mais grande”

13131066_1389455654413401_676432047513872731_o

Não te via há uma semana.
Já tens 10 anos.
Não é nada. Eu sei.
Mas não sei se sei tudo o que isso quer dizer.
Pareces-me sempre enorme, “mais grande” como já nem dizes.
Já falas com tanta certeza das coisas.
E já me gozas com piadas próprias.
Rimos juntas de coisas do saber e do que ninguém sabe.
Às vezes queria ser a tua amiguinha dos recados de papel.
Tenho muitas saudades do monopólio do destinatário.
Já tens 10 anos.
Não é nada. Eu sei.
Tens umas pernas compridas e umas ideias que as ultrapassam. Os teus cabelos já se mexem com coreografia e tu já te vestes como se fosses directa para o Instagram.
Escolhes os teus livros, as tuas roupas, as tuas amigas e as tuas ideias. Mas sei que se te dessem a escolher a progenitora me escolhias a mim.
E não tenho qualquer dúvida, que era a ti que te escolhia mesmo quando me sinto a competir com o mesmo mundo grande que te dei a descobrir.
Já tens 10 anos.
Não é nada eu sei.
E o meu amor por ti é sempre “mais grande” como já nem dizes.
Digo eu por ti que já sou “bem mais grande” que 10.

Comentar

Carta à Olívia

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -1-6

A Ana pediu-me que incluísse na nossa sessão de recém nascido um texto livre dedicado à filha. Escrevi sem filtros, a carta que gostaria, se o tivesse pedido, que escrevessem à minha filha.

“Querida Olívia,

Não te conheço. Mas já senti o calor da vida quando te peguei nas minhas mãos. Tudo em ti ainda é tão pequenino para um Mundo tão grande.
Há quinze dias ainda estavas no banho mais sólido do mundo, na ternura das melhores paredes da nossa primeira habitação. Também não me conheces. Mas já me deixaste que te pegasse sem medos e te aconchegasse junto ao meu corpo. Não me lembro das vezes em que me deixei que me pegassem assim, mesmo quando já tinha uns anos largos fora do corpo quente da minha mãe. Não sei se te vou ver crescer de perto.
Mas sei que te vais fazer grande e o Mundo parecerá muitas vezes pequeno para ti.
Também sei que não sou nenhuma fada na berma do berço, mas se tivesse um condão, não era apenas saúde que te desejava. Pedia que mantivesses a consciência de que somos sempre pequenos perante a imensidão do mundo, grandes perante os desafios da vida e capaz de nos entregarmos aos outros, assim como aquele colo despudorado que me permitiste quando te segurei dos braços da tua mãe.

Que a vida te dê sempre o melhor dos colos na proporção da melhor das entregas,
Desta tua amiga,

Isabel Saldanha”

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -2

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -1-5

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -8

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -1

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -6

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -4

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -1-4

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -9

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -1-7

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -3

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -1-3

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -1-2

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -7

Bartolomeu | Isabel Saldanha Photography -10

Comentar

Família ADAMS

13062877_1376717932353840_951463516392298326_o
Sou uma mãe porreira. Disso, tenho a certeza.
Levo ao expoente máximo a arte de ser criança. Em minha casa permite-se o eco agudo das expressões mais dramáticas.
Com a minha mãe não era assim, cinco filhos em casa, individualidades homogeneizadas e pais tranquilos.
Arrebiques de carácter e nuances de extroversão eram passados a ferro de educação. Havia fases para todos mas o colectivo não podia ser ameaçado com o despontar de uma rebeldia singular.
Quis contrariar o modelo e não faço ideia do ónus do resultado. Se querem maquilhar-se partilho as minhas tintas, se querem desfilar, empresto as minhas roupas, se pedem para cozinhar, vamos para a cozinha. Da sala faz se palco de teatro, do corredor passadeira, da cama trampolim. A verdade é que ser mãe assim me dá uma sensação apaziguadora de vingança tardia sobre o reinado dos meus pais. E também é assim que me via a ser mãe.
Preservo o meu espaço mental quando o sono lhes dá carinho, mas até lá é tudo nosso, quando elas estão, para usufruto colectivo.
Aqui há dois anos a Caetana decidiu que queria ser gótica, tinha apenas 8 anos e a única peça do armário preta era o maillot de ballet. Condescendi, lembrada que o acto de contrariedade degenera normalmente numa obsessão pelo tema. Tive sorte, o maillot não dá jeito para ir à casa de banho e em duas semanas cansou-se do exotismo. Agora tem 10 e decidiu que queria ser gótica novamente. Já tem umas quantas peças negras no armário e sabe que o meu está cheio delas.
Adoptei a mesma estratégia…mas ao gosto pela vestimenta preta, soma-se agora uma paixão por literatura das trevas e uma obsessão por temas como o holocausto e os terramotos. Não sei se não preferia quando tinha que levar com a histeria da Violeta em todas as interfaces de som. Confesso que acho mais assustador vê-la a googlar (vigiada) o retrato do Hitler e o museu da Anne Frank. Até na mochila da escola encontrei um livro de poemas do Edgar Alan Poe em inglês resgatado à minha estante.
A Camila que atesta a sua individualidade permanentemente, já começou a ter sonhos com refugiados e hoje pediu-me para ir de cinza escuro para a escola (pantone a pantone vai ficando gótica).
…e quando até a poesia assusta, fico na dúvida, se a contrariedade não devia ter tido lugar ou se também me vista de preto:)*

P.S.: *Também tive a minha fase gótica. E permaneceu a poesia

Comentar

UM DESAFIO | UM RÓTULO

12977241_1372858886073078_3435569828671014833_o

Tenho uma série de garrafas de vinho na minha mesa do escritório. Umas vazias e outras fechadas, mas tudo isto tem um propósito: O vinho #filhasdamãe.
E as loirinhas estão comigo desde o dia em que decidimos avançar com o Projecto, a criação de um vinho nosso, em parceria com o enólogo Paulo Laureano.
Gostamos de nos envolver a fundo no que fazemos. Não queremos dar nome, queremos dar forma e alma. E por isso, fomos vindima-lo, fomos pisa-lo, fomos prova-lo e estamos naquela fase deliciosa do namoro do rótulo.
A Caetana diz. – É mesmo cool mãe! Vamos ter um vinho.
E a Camila diz que preferia que fizéssemos barras de chocolate. Mas pega na garrafa vazia, logo de seguida, e pergunta se pode levar para a escola para mostrar à professora.
O vinho tem álcool, é verdade. Mas não é o álcool que define o vinho. O vinho é um equilíbrio de propriedades, um blend da terra, com as uvas, as pessoas, as mãos e os sentidos que o sacodem e saboreiam. Pusemo-nos as três a falar alegremente sobre o rótulo, e embora, elas não percebam nada sobre o paladar do vinho, pude explicar-lhes a importância do terreno(terroir), falei-lhes da uva, a primeira “filha da mãe” terra, falei-lhes da celebração, das diferentes castas, do processo de vindima e dos segredos guardados em pipas enormes de madeira. Igualzinha aquelas em que deixamos mensagens no alto mar.
Tenho a certeza, que mesmo ainda antes de sentirem o sabor, já lhes vislumbraram a essência. E com uma “pinga” bem aplicada de orgulho, terei semeado nelas, o mesmo gosto que hoje tenho por esse paladar engarrafado:)
Perguntei-lhes que rótulo gostavam de ver num vinho que também é delas. Sugeriram-me imagens, desenhos e palavras, e foi dessa conversa entornada, sem rolhas à imaginação que começamos a desenhar o rótulo do nosso vinho. Ainda não está concluído e a rolha ainda não está selada. A Caetana sugeriu e bem, que vos perguntasse o que esperavam ver no rótulo.
“Pode ser que eles tenham mais imaginação que nós e que gostem tanto de vinho como a mãe”.
Por isso aqui vai o nosso pedido:
Mandem as rolhas cá para fora e respondam às “filhas desta mãe” sff:)
Obrigado!!

Comentar

Toda a gente lê antes de dormir.

12961221_1372502412775392_588475180030234144_o

Escrevi no meu Instagram – https://www.instagram.com/isaldanha/ – que cá em casa até perdoamos a sopa, mas que toda a gente lê antes de dormir.
É bem verdade.
Mesmo com os olhos tortos e um bocejo inscrito na cara, faço questão de lhes dar 15 minutos de leitura obrigatória, às vezes mais. Quero que poisem os tablets e os periféricos móveis, que descansem do Youtube e das dobragens detestáveis do Disney Channel, quero que sintam a textura do papel, as palavras alinhadas, o cheiro das folhas e sobretudo os mecanismos de imaginação, curiosidade e o enriquecimento semântico, que só um livro produz.
Deixo-as escolher as livros.
A Caetana só gosta de histórias que tenham um Q.I. de terror, já a Camila só quer ler livros onde haja beijos e muito amor.
Comprei a trilogia da “Escola do Bem e do Mal” para a Caetana, reza a sinopse: “No povoado de Gavaldon, a cada quatro anos, na décima primeira noite do décimo primeiro mês, dois adolescentes somem misteriosamente há mais de dois séculos. Na temida ocasião, os pais trancam e protegem seus filhos, apavorados com o possível sequestro, que acontece segundo uma antiga lenda: os jovens desaparecidos são levados para a Escola do Bem e do Mal, onde estudam para se tornarem os heróis e vilões das histórias dos contos de fadas.” O primeiro livro foi eleito um dos melhores de 2013 nos Estados Unidos e Best-seller do The New York Times.
A miúda não larga o calhamaço e hoje pediu-me para levar o livro para a escola.
E eu, que sempre sonhei ir buscar a minha filha ao recreio e encontra-la absorta a ler.;))
É desta que concretizo um fetiche maternal.
Um beijo maior nos livros. (No dia internacional dos beijos.)

Comentar

“Diz a Camila…”

12961441_1371913619500938_322925582363056722_o

Diz a Camila ontem num café:
-Mãe! Tenho um miúdo na turma do lado que é deste tamanho!
(E com os braços abertos, afasta as palmas das mãos uns 20 centímetros.) É anon!
– Não é anon que se diz Camila, é anão.
– É isso. É mesmo pequenino, mãe:)
Aproveito sempre e introduzo o respeito pela “Diferença” (nem sempre resulta):
– Os anões são mais pequeninos. – disse.
A Camila sabe que deve respeitar e ser carinhosa com as pessoas que são diferentes da maioria. Que nunca se deve gozar com as diferenças dos outros. E que sempre que vir alguém a gozar ou a fazer troça, deve fazer queixa ou chama-lo à atenção.
Diz a Camila, ansiosa por falar:
– Eu sei mãe, eu sei. Eu trato toda a gente bem.
Eu só queria pedir -lhe para ir visitar a aldeia dele, que deve ser o máximo!

Comentar

FALHEI MUITAS VEZES

12920431_1366005063425127_2671113674878623575_n
Mães trabalhadoras e a carreira profissional? Será mesmo reconhecido o nosso esforço, pela sociedade, família ou amigos, ou na verdade, dizem-se coisas bonitas, mas todos pensam “tiveste-os? Agora, desenrasca-te”. (Um comentário que me deixaram há meses num post e que foi o mote para este texto)

No dia em que decidi ser mãe, não sabia a extensão da minha decisão.
Nunca, enquanto lhe fantasiávamos as feições ou decorávamos o quarto, falámos de forma detalhada do impacto real que o nascimento da nossa filha, teria nos vários quadrantes da nossa vida.
Pensámos sobre isso como faz toda a gente na iminência de uma grande mudança. Mas nunca quis esmiuçar numa folha de Excel os prós e os contras de um filho.
Queria ser mãe, queria tê-la nos meus braços, nos nossos braços e na nossa vida.
Atirei-me para frente, com a confiança, que nunca achei ingénua, de que o amor ajuda sempre a responder às questões que ainda não sabia levantar.
Se calculasse o índice de conforto, a logística e o desgaste financeiro das principais decisões da minha vida estava lixada.
Como já fui mãe duas vezes, posso dizer que já vivi a maternidade em circunstâncias de carreira completamente opostas: Enquanto assalariada, desempregada e enquanto trabalhadora independente.
E foi nesta última condição, que me separei (e não o motivo), a passar recibos verdes, à rasca que o pouco rendimento recolhido, me lembrasse constantemente da inconsciência das minhas escolhas.
O caminho é ainda mais difícil que a escolha. E nada se faz inteiro, só porque se quer segurar na mão as duas metades:
A dedicação a um trabalho que nos realiza e o colo certo a um amor que nos amarra. Falhei muitas vezes em cada uma das metades. E aprendi a ver nas falhas uma forma de amor.
Só assim é possível continuar a tentar, a cair e a erguer. Ainda não somei tudo o que ganhei, na subtracção das certezas que também perdi. Mas há uma coisa que eu sei:
Nunca conseguiria ser a mãe que sonhei, se deixasse de acreditar na mulher que sonhei para mim.

Comentar