bora lá

Bora a São Tomé?

Anexo de e‑mail-2

De 22 a 29 de Outubro!
E não pensem que é cena de excursão chata. Nem que eu vou com um microfone a ler folhas soltas no autocarro.
Nada disso. O programa somos nós que o fazemos. Ao nosso ritmo, com a nossa indulgência e a nossa energia.
Com conversa solta, sol, cervejas geladas, caminhadas, conversas locais e muitos mergulhos . Com espaço para cada um desbravar caminhos e conversas, sem terapia de grupo, que não seja a gargalhada solta.
São Tomé é um sonho. E não há nada melhor que ir viver o sonho!
Bora!

Reservas:
paulo.andrade@hbd.com

Captura de ecrã 2016-09-2, às 15.29.56

O programa completo da viagem aqui:
http://isabelsaldanha.com/wp-content/uploads/2016/08/Programa-OmaliIS.pdf
http://www.omalilodge.com/isabelsaldanha/index

Comentar

Para as pessoas mais importantes do Mundo

IMG_1762

É assim que o pequeno se faz grande.
É nos detalhes que a alma das coisas se revela. É naquele sussurro na orelha ao acordar, é nos pés que se encaixam nas madrugadas frias, é na tábua de madeira pintada à mão, é no caminho feito de pedras que só pediam uma ordem, é no respeito do que já era bom, é no acarinhar do que já se tem de belo, é na construção humilde sob um pano de fundo trabalhado pela natureza, é no detalhe que dá brilho sem ofuscar, no machado que repousa sem partir, na tábua que se entorta no uso dos cotovelos, é na cabeça baixa que contorna a videira. É na alma grande, de quem acrescenta pequeninas coisas, sem a ambição das coisas maiores.
E são estes sítios, com essas pessoas, nesses detalhes pequeninos, que descubro as coisas grandes em mim.
Os Moinhos de Ovil têm essa magia, esse toque de pó de fada, esse brilho. E nós voltamos de lá mais PAN´s que Peter, deixámos os ganchos na corrente do rio e chegamos a Lisboa com a certeza que ainda temos alma de meninos perdidos. E que voltaremos, as vezes que forem precisas, para nunca nos chegarmos a encontrar.
Só porque a graça da magia, dizem as fadas mais sábias…está no brilho da procura eterna.

IMG_1757

IMG_1755

IMG_1758

IMG_1797

IMG_1789

IMG_1778

IMG_1773

IMG_1779

IMG_1771

IMG_1794

IMG_1786

IMG_1782

IMG_1751

IMG_1736

IMG_1729

IMG_1748

IMG_1710

IMG_1720

Comentar

Do barco para o Veleiro.

douroazul (4 de 19)

Depois do passeio, do almoço, das provas e dos mergulhos. Atracamos e saltamos para o veleiro. Tudo, para sentir a navegação à vela. Para mostrar às loiras o que o barulho impede de ver. Certa, de que mesmo pequeninas, elas perceberam o valor do silêncio. E como a paisagem cresce quando a alma está tranquila.

douroazul (6 de 19)

douroazul (7 de 19)

douroazul (8 de 19)

douroazul (9 de 19)

douroazul (10 de 19)

douroazul (11 de 19)

douroazul (12 de 19)

douroazul (13 de 19)

douroazul (14 de 19)

douroazul (15 de 19)

douroazul (16 de 19)

douroazul (17 de 19)

douroazul (18 de 19)

douroazul (19 de 19)

douroazul (20 de 19)

douroazul (21 de 19)

Comentar

Moinhos de Ovil

MOINHOS (3 de 1)

Descobri os moinhos quando fui convidada para fotografar um editorial de noivas aqui no Douro. Mas apanhei um dilúvio tão grande que pouco vi do que prometia e regressei nessa mesma tarde a Lisboa. Mas não esqueci a Eduarda. E a sua simpatia prometia um reencontro. Regressei ontem com as minhas miúdas. Na promessa de levar do Douro um coração coeso e uma memória rica. Demora cerca de 3 horas aqui a chegar e quando finalmente viramos para Marco de Canaveses percebemos nas manchas carbonizadas da paisagem a dor dos últimos incêndios. Mas o verde volta a ganhar contraste à medida que nos aproximamos de Ovil. Depois…depois foi entrar num sonho. Um antigo moinho convertido numa casa caiada de bom gosto, num labirinto de rios e pedras, num cem número de socalcos decorados com magia. E as loiras entraram, (“invadiram” seria o verbo correcto) e exploraram o espaço, preparado com o carinho, de quem sabe receber com mimo, quem chega e vem por bem. Todos os cantos são desenhados e integrados na paisagem como se a mão do homem fosse apenas um condão. A Eduarda recebeu-nos com uma mesa farta e não havia na casa, um pormenor que fosse, que não fosse pensado para nós. Foi amor à primeira vista, e hoje já é terça e continuamos apaixonadas. Como aquele livro que relemos o penúltimo capitulo vezes sem conta, para adiar o fim. E assim faremos, enquanto estivermos aqui, presas no mais doce dos penúltimos capítulos.

*Amanhã coloco valores. contactos. serviços. e afins. Hoje não queremos formalizar o sonho.

MOINHOS (20 de 20)

MOINHOS (6 de 20)

MOINHOS (12 de 20)

MOINHOS (13 de 20)

MOINHOS (14 de 20)

MOINHOS (15 de 20)

MOINHOS (17 de 20)

MOINHOS (18 de 20)

MOINHOS (19 de 20)

Comentar

A”braços” com o destino

Estas são as imagens que marcaram esta quinzena de férias. Sem dúvida, melhor vivida e aproveitada, que os anos passados, quando ainda éramos uns pequenos amadores nas joint ventures familiares. Ainda há arestas que carecem de orçamento e afinação para a coisa ser perfeita. Mas como sabemos todos, faltarão sempre, e até há uma certa graça nisso. De qualquer forma, acho que já estamos a ficar prós na gestão da família numerosa em período de férias. Cansa para caraças! Mas também é verdade que lhes ficará na memória estes tempos vividos. E se ainda faço um bocadinho de fita nestes períodos, é porque verdade seja dita, nunca sonhei que a vida me encaminhasse para este destino. Há toda uma aprendizagem por detrás das grandes decisões das nossas vidas. Abracei este projecto de coração, mas às vezes, os braços ainda demoram para se fecharem sobre todas as coisas que não imaginavam ter que abarcar. Sou muito feliz. Mesmo muito. E estas vinte imagens, traduzem a largura com que estico os braços para manter tudo isto que tenho perto de mim.

varrifana001

varrifana002

varrifana003

alternativas-3

alternativas-2

alternativas-1

varrifana004

varrifana005

varrifana008

varrifana006

varrifana007

varrifana010

alternativas-5

alternativas-4

varrifana011

varrifana013

varrifana014

varrifana015

varrifana012

varrifana016

Comentar

Era uma igual para mim sff

alex01

Disse que não passaria deste Verão, sem uma sessão fotográfica com as minhas filhas da mãe.
Uma parecida às que faço todos os dias a famílias inteiras, a mães com filhas, pais com filhos, avós com netas, casais, noivos e todos os afins deliciosos das nossas uniões. É verdade que tenho toneladas de fotografias das minhas filhas, mas já não é tão verdade, que tenha um acervo composto de fotos com elas. De vez em quando, lá saco uma selfie manhosa de sorriso amarelo, mas o que eu queria era isto, uma tarde espontânea, em que o retrato éramos nós, na nossa relação, com tudo o que lhe cabe e compete de atrito, amor e de equilíbrio.
Quando termino a edição de sessões de família, como esta, da Alexandra e da filha, respiro fundo, fico mesmo feliz quando revejo nas fotografias as expressões. E mesmo quando há pose, o ambiente gerado é suficientemente honesto para pôr a descoberto, até a beleza do que isso tem.
O Verão ainda não acabou, a esperança vem comigo até Setembro, com a vantagem que tenho uma máquina nova, bem maneirinha, que dá para passar para mãos amigas e rezar para que saia bem. Agora, é só esperar que as loiras alinhem em estar uma horinha concentradas, entretidas, embevecidas e divertidas com a mãe. Talvez esteja a ser ambiciosa, mas não podia estar a ser mais honesta, quando olho para estas fotos e repito:
– Era uma igual para mim sff.

alex02

alex03

alex04

alex05

alex07

alex08

alex09

alex10

alex11

alex13

alex15

alex16

alex17

Comentar

Tenho na memória

arrifana dia2 (4 de 10)

Tenho memória de sentir os meus pés de criança a atravessar a tijoleira molhada à entrada da praça.
Tenho na memória os apertos de mão, dados no pulso, entre os fregueses conhecidos e as vendedoras de peixe.
Tenho na memória as notas que sacudiam escamas à saída dos aventais. Tenho na memória a voz do meu avó a pedir a cabeça do peixe e tudo o que lhe pertencia.
Era pouco mas alta que as bancadas de pedra onde se estendia à faina, os meus olhos contemplavam directos os olhos arregalados dos peixes. Enquanto o meu avó falava, eu espetava os dedos magrinhos no suco gelatinoso dos seus lombos, depois, como uma menina apanhada a fazer asneira, limpava-os à pressa nas calças, para que ninguém descobrisse que era assim que os ia sentindo.
E ainda hoje, quando entro no mercado, aproximo-me das bancadas de pedra, e quando já ninguém olha, resgato a memória do meu avó, tocando sorrateiramente os peixes.
E com o mesmo gosto de criança pequena, na miúda já crescida, limpo-os sempre nas minhas calças.

arrifana dia2 (2 de 10)

arrifana dia2 (3 de 10)

arrifana dia2 (8 de 10)

arrifana dia2 (1 de 10)

arrifana dia2 (5 de 10)

arrifana dia2 (9 de 10)

arrifana dia2 (10 de 10)

arrifana dia2 (7 de 10)

Comentar

Fragmentos de um Verão

arrifana (2 de 11)

“Férias”, aquela palavra que isolada soa sempre bem, mas férias não são isolamento, são colectivo numeroso, aqui para os meus lados.
Não é fácil, ninguém disse que era fácil, mas todos os anos melhoramos com os erros dos anos que já passaram.
A família ganha nova configuração, acrescem trabalhos, ganha-se em número, empenha-se a liquidez, ganham-se novas rugas, abrem-se velhas garrafas. Aprendemos a dois, que a felicidade a seis só é possível, se contemplar momentos a dois. Aprendemos a requisitar ajuda, apertámos no orçamento, mas ganhamos o direito a um pôr do sol só para nós. Levámos baldes e setas, raquetes e brinquedos velhos do Verão anterior, redobramos o ânimo, olhamo-nos com cumplicidade e brindamos à vida.
Isto é tudo muito fugaz para suspiros demorados, que não sejam no enlaço do torpor, de quem já foi com a palhinha aos açúcares baixos da caipirinha.
Estamos felizes. Se podíamos estar mais?
Talvez, mas a idade tem essa magia, a de amaciar a ansiedade de tudo o que poderia ser, com a alma cheia de tudo o que já é.
Estes são alguns fragmentos do nosso Verão…

arrifana (4 de 11)

arrifana (8 de 11)

arrifana (6 de 11)

arrifana (5 de 11)

arrifana (17 de 1)

arrifana (3 de 11)

arrifana (16 de 2)

arrifana (17 de 2)

arrifana (1 de 11)

Comentar

AMOR X3

Cacomae-110

Dizem que três é a conta que Deus fez. Eu fiz por baixo e já acho uma equação difícil nos dias em que me falta inspiração.
Mas a Ana parece fluir entre o colectivo ímpar das filhas. Entre o olhar de repreensão à asneira e a ternura profunda no sorriso atrevido das miúdas, há uma mãe e três filhas com um amor honesto e gigante.
Não te conhecia Ana, nem às miúdas. E achei-vos muito sãs e muito verdadeiras. Uma família desembaraçada com a cumplicidade certa entre a liberdade, a ordem, a desordem e o amor. Foi uma sessão fotográfica, mas nem isso pareceu, as fotografias recordam-em uma manhã passada na praia a brincar com amigas e pequeninas e a tomar café com uma amiga grande. E é assim que vos vou recordar.

Cacomae-4

Cacomae-30

Cacomae-3

Cacomae-44

Cacomae-20

Cacomae-16

Cacomae-45

Cacomae-37

Cacomae-41

Cacomae-39

Cacomae-35

Cacomae-36

Cacomae-49

Cacomae-18

Cacomae-23

Cacomae-24

Cacomae-46

Cacomae-33

Cacomae-48

Cacomae-13

Cacomae-12

Comentar

“Assim para o simples”

Ontem esteve muito calor. Depois de ir buscar as loiras ao ATL da escola, cheguei a casa e tomei um banho. Pus um vestidinho curtinho de flores e ouvi logo um “UAU” das miúdas, como se tivesse colocado um vestido à Globos de Ouro. Ri-me da expressão delas e perguntei porque é que estavam tão surpreendidas, a Caetana disse-me com jeitinho cerimonioso que eu andava sempre “assim para o simples” e que era raro colocar um vestido. A verdade é que por questões práticas visto-me sempre de forma cómoda, sendo o epitáfio da estética o meu conforto. Sou fotógrafa e são raras as vezes (graças a Deus), que a profissão obriga a um kit mais elaborado. Gosto deste tipo de looks, com calças ainda mais largas e sapatos confortáveis. Quem me conhece sabe que uso uma espécie de uniforme de meia-estação que inclui sempre umas leggings, uns ténis e uns casacos de estilo militar, com um boné e um casaco de capuz. Quando tenho um jantar vasculho no armário uma coordenado mais “uau”, mas pela força do hábito, acabo sempre por me vestir no mesmo alinhamento, com a diferença que carrego ligeiramente na maquilhagem. Às vezes fico a olhar-me no espelho com uma saia rodada ou um vestidinho mas sinto-me fora de mim. Como se aquela imagem não fosse inteiramente eu. Já percebi pelo espanto de ontem que vou tentar caprichar no visual para as miúdas cá de casa não ficarem a pensar que por cada vestido há uma passadeira vermelha.

Cfbn02

Cfbn05

Cfbn07

Cfbn04

Cfbn03

Cfbn06

Cfbn08

Cfbn01

Comentar