Bora a São Tomé?

Anexo de e‑mail-2

De 22 a 29 de Outubro!
E não pensem que é cena de excursão chata. Nem que eu vou com um microfone a ler folhas soltas no autocarro.
Nada disso. O programa somos nós que o fazemos. Ao nosso ritmo, com a nossa indulgência e a nossa energia.
Com conversa solta, sol, cervejas geladas, caminhadas, conversas locais e muitos mergulhos . Com espaço para cada um desbravar caminhos e conversas, sem terapia de grupo, que não seja a gargalhada solta.
São Tomé é um sonho. E não há nada melhor que ir viver o sonho!
Bora!

Reservas:
paulo.andrade@hbd.com

Captura de ecrã 2016-09-2, às 15.29.56

O programa completo da viagem aqui:
http://isabelsaldanha.com/wp-content/uploads/2016/08/Programa-OmaliIS.pdf
http://www.omalilodge.com/isabelsaldanha/index

Comentar

Para as pessoas mais importantes do Mundo

IMG_1762

É assim que o pequeno se faz grande.
É nos detalhes que a alma das coisas se revela. É naquele sussurro na orelha ao acordar, é nos pés que se encaixam nas madrugadas frias, é na tábua de madeira pintada à mão, é no caminho feito de pedras que só pediam uma ordem, é no respeito do que já era bom, é no acarinhar do que já se tem de belo, é na construção humilde sob um pano de fundo trabalhado pela natureza, é no detalhe que dá brilho sem ofuscar, no machado que repousa sem partir, na tábua que se entorta no uso dos cotovelos, é na cabeça baixa que contorna a videira. É na alma grande, de quem acrescenta pequeninas coisas, sem a ambição das coisas maiores.
E são estes sítios, com essas pessoas, nesses detalhes pequeninos, que descubro as coisas grandes em mim.
Os Moinhos de Ovil têm essa magia, esse toque de pó de fada, esse brilho. E nós voltamos de lá mais PAN´s que Peter, deixámos os ganchos na corrente do rio e chegamos a Lisboa com a certeza que ainda temos alma de meninos perdidos. E que voltaremos, as vezes que forem precisas, para nunca nos chegarmos a encontrar.
Só porque a graça da magia, dizem as fadas mais sábias…está no brilho da procura eterna.

IMG_1757

IMG_1755

IMG_1758

IMG_1797

IMG_1789

IMG_1778

IMG_1773

IMG_1779

IMG_1771

IMG_1794

IMG_1786

IMG_1782

IMG_1751

IMG_1736

IMG_1729

IMG_1748

IMG_1710

IMG_1720

Comentar

Do barco para o Veleiro.

douroazul (4 de 19)

Depois do passeio, do almoço, das provas e dos mergulhos. Atracamos e saltamos para o veleiro. Tudo, para sentir a navegação à vela. Para mostrar às loiras o que o barulho impede de ver. Certa, de que mesmo pequeninas, elas perceberam o valor do silêncio. E como a paisagem cresce quando a alma está tranquila.

douroazul (6 de 19)

douroazul (7 de 19)

douroazul (8 de 19)

douroazul (9 de 19)

douroazul (10 de 19)

douroazul (11 de 19)

douroazul (12 de 19)

douroazul (13 de 19)

douroazul (14 de 19)

douroazul (15 de 19)

douroazul (16 de 19)

douroazul (17 de 19)

douroazul (18 de 19)

douroazul (19 de 19)

douroazul (20 de 19)

douroazul (21 de 19)

Comentar

Um sonho concretizado: UM PASSEIO NO DOURO

verde (1 de 7)

Eu não sei se a Eduarda me leu o sonho. Mas concretizou-o.
E não organizou um passeio qualquer, num barco qualquer com uns quaisquer turistas por companhia, o que, sem qualquer arrogância, já teria enchido as medidas por inteiro. Fomos no Douro a vela, com um velejador de paixão, num passeio intimista, romântico, de quem conhece o vinho, o douro, as margens e as suas leis. O almoço foi servido a bordo, pela simpática Margarida, que colabora com o António, para fazer da viagem um império de sentidos. Tive medo que as miúdas se fartassem, que quisessem regressar ao espólio de fantasia dos moinhos. Mas nada disso. Deram-se à viagem com a ternura de quem reconhece a generosidade com que é recebido. O Douro à vela opera com dois barcos, um antigo de madeira e um veleiro, para quem cortar as margens do rio ao som dos sulcos das águas e das videiras. O preço médio é de 150 € por pessoa para um passeio de três horas com um almoço recheado dos melhores petiscos regionais e a visita às melhores quintas. Quem quiser pode encomendar o passeio do pôr do sol, jantar no barco e ver a noite cair sobre as margens do rio. E tudo isso, sem a bulha das fotografias, dos coletes e dos turistas apinhados no convés, ao ritmo que o Douro dita, com a mesma calma maturada com que se faz o melhor vinho do mundo. Obrigado António pela experiência enriquecida na vossa companhia.

DOURO À VELA
Operador Marítimo-Turístico – Licença nº 29
Lugar da Curvaceira – Penajóia
5100-662 LAMEGO – PORTUGAL
Tlm.: 91 8793792 | info@douro-a-vela.pt 
www.douro-a-vela.pt

verde (1 de 5)

verde (2 de 5)

verde (2 de 7)

verde (2 de 15)

verde (3 de 5)

verde (3 de 15)

verde (4 de 5)

verde (4 de 15)

verde (5 de 5)

verde (5 de 15)

verde (6 de 7)

verde (8 de 15)

verde (14 de 15)

verde (15 de 15)

Comentar

Moinhos de Ovil

MOINHOS (3 de 1)

Descobri os moinhos quando fui convidada para fotografar um editorial de noivas aqui no Douro. Mas apanhei um dilúvio tão grande que pouco vi do que prometia e regressei nessa mesma tarde a Lisboa. Mas não esqueci a Eduarda. E a sua simpatia prometia um reencontro. Regressei ontem com as minhas miúdas. Na promessa de levar do Douro um coração coeso e uma memória rica. Demora cerca de 3 horas aqui a chegar e quando finalmente viramos para Marco de Canaveses percebemos nas manchas carbonizadas da paisagem a dor dos últimos incêndios. Mas o verde volta a ganhar contraste à medida que nos aproximamos de Ovil. Depois…depois foi entrar num sonho. Um antigo moinho convertido numa casa caiada de bom gosto, num labirinto de rios e pedras, num cem número de socalcos decorados com magia. E as loiras entraram, (“invadiram” seria o verbo correcto) e exploraram o espaço, preparado com o carinho, de quem sabe receber com mimo, quem chega e vem por bem. Todos os cantos são desenhados e integrados na paisagem como se a mão do homem fosse apenas um condão. A Eduarda recebeu-nos com uma mesa farta e não havia na casa, um pormenor que fosse, que não fosse pensado para nós. Foi amor à primeira vista, e hoje já é terça e continuamos apaixonadas. Como aquele livro que relemos o penúltimo capitulo vezes sem conta, para adiar o fim. E assim faremos, enquanto estivermos aqui, presas no mais doce dos penúltimos capítulos.

*Amanhã coloco valores. contactos. serviços. e afins. Hoje não queremos formalizar o sonho.

MOINHOS (20 de 20)

MOINHOS (6 de 20)

MOINHOS (12 de 20)

MOINHOS (13 de 20)

MOINHOS (14 de 20)

MOINHOS (15 de 20)

MOINHOS (17 de 20)

MOINHOS (18 de 20)

MOINHOS (19 de 20)

Comentar

Sessão Nadia & Família

Sessão Nadia012

Querida Nadia,

Percebi bem as tuas saudades de Portugal. Acho que percebi que gostavas que eles tivessem o mesmo orgulho que tu tens, das tuas raízes.
E adorei que tivéssemos conversado sobre isso. Sobre a Saudade franca. Não é fácil estar longe da nossa primeira morada. Seja em França, na Suíça, em Londres ou na África do sul.
E sei bem, que tudo o que se recria lá fora, não se cria com a mesma expressão com que é cozinhado cá dentro. Também tenho o pai das loiras emigrado e não há dia que passe que não pense que o mundo é injusto, quando afasta famílias, quando nos obriga a ir semear lá fora, sabendo que o tempo não se recupera nos regressos curtos.
Mas os nossos filhos são cidadãos de um mundo maior, que alargamos para eles, para que lá coubesse todo o amor, todos os sonhos e as nossas ambições. Tenho a certeza que vão amar Portugal como se cá tivessem vivido e que vão regressar um dia, fortes, sãos e inteiros para ajudar a fazer deste sonho, que o emigrante leva longe, de levar o nosso País ainda mais além. Obrigado pelos chocolates. Bem melhores os que se fazem por aí.
E venham nos visitar sempre:)

Beijinhos portugueses,
Isabel S

Sessão Nadia013

Sessão Nadia010

Sessão Nadia014

Sessão Nadia016

Sessão Nadia020

Sessão Nadia025

Sessão Nadia023

Sessão Nadia018

Sessão Nadia036

Sessão Nadia032

Sessão Nadia038

Sessão Nadia039

Comentar

A bolha dentro da bolha

Sessão Inês Melo | Grávida004

Tanta barriguda gira que anda para aí:)* E eu vou conhecendo algumas. É nestas alturas que recordo as minhas barrigas e o nascimento das minhas miúdas.
Parece-me tudo tão distante agora. Há coisas que nem recordo com precisão.
Passa tudo tão rápido.
Olho para elas agora, gigantes, autónomas, opinativas e já pouco lhes encontro o traço dos bebés que foram.
No fundo, todas as mães sabem, que cresçam o que crescerem, haverá sempre espaço que chegue de colo, mesmo que seja sentado:)
Ainda não sinto saudades de ter um bebé. Não sei se alguma vez terei outra vez. Mas conheço de cor a magia única daqueles momentos em que nos entregam nas mãos um filho. Sei o que é a ampliação imediata de um coração, o choque de adrenalina do primeiro toque, o som único dos nossos filhos e a relação que se vai criando, em cada momento de alegria e de cansaço. Desses momentos tenho saudade. A bolha dentro da bolha. A vida que se abre dentro da vida.

*Parabéns Inês & Miguel

Sessão Inês Melo | Grávida001

Sessão Inês Melo | Grávida013

Sessão Inês Melo | Grávida006

Sessão Inês Melo | Grávida008

Sessão Inês Melo | Grávida014

Sessão Inês Melo | Grávida024

Sessão Inês Melo | Grávida021

Sessão Inês Melo | Grávida030

Sessão Inês Melo | Grávida036

Sessão Inês Melo | Grávida038

Sessão Inês Melo | Grávida034

Sessão Inês Melo | Grávida039

Comentar

A”braços” com o destino

Estas são as imagens que marcaram esta quinzena de férias. Sem dúvida, melhor vivida e aproveitada, que os anos passados, quando ainda éramos uns pequenos amadores nas joint ventures familiares. Ainda há arestas que carecem de orçamento e afinação para a coisa ser perfeita. Mas como sabemos todos, faltarão sempre, e até há uma certa graça nisso. De qualquer forma, acho que já estamos a ficar prós na gestão da família numerosa em período de férias. Cansa para caraças! Mas também é verdade que lhes ficará na memória estes tempos vividos. E se ainda faço um bocadinho de fita nestes períodos, é porque verdade seja dita, nunca sonhei que a vida me encaminhasse para este destino. Há toda uma aprendizagem por detrás das grandes decisões das nossas vidas. Abracei este projecto de coração, mas às vezes, os braços ainda demoram para se fecharem sobre todas as coisas que não imaginavam ter que abarcar. Sou muito feliz. Mesmo muito. E estas vinte imagens, traduzem a largura com que estico os braços para manter tudo isto que tenho perto de mim.

varrifana001

varrifana002

varrifana003

alternativas-3

alternativas-2

alternativas-1

varrifana004

varrifana005

varrifana008

varrifana006

varrifana007

varrifana010

alternativas-5

alternativas-4

varrifana011

varrifana013

varrifana014

varrifana015

varrifana012

varrifana016

Comentar

Gostei dele como gostei de pouca gente.

INES & AVO-19

Não gosto de ser repetitiva, mas a verdade é que não tive grande sorte na família que me calhou. Pelo menos, na que não dependeu directamente de mim para a sua constituição. E se calhar (repetindo o verbo) não há forma bonita de se dizer isto: Mas com excepção de alguns parentes, quase tudo não rezará na história, pelo menos, não na minha. Mas há um homem que me marcou profundamente, que lançou as raízes da sua alma dentro da minha e que fez toda a diferença na construção positiva da pessoa que hoje sou: O meu avô.
Gostei dele como gostei de pouca gente. No meio do caos, ele ensinou-me a estruturar as dúvidas, a orgulhar-me das incertezas, a não ter medo de chorar e a fazer cerimónia com a tristeza. Ensinou-me a hierarquizar as dores e a arruma-las sem medo de as tratar por tu. O meu avô era uma pessoa simples, sem a graça das frases feitas, que não fossem feitas apenas por si. O que ele me ensinou, sem me querer ensinar, revela-se em todas as madrugadas do meu dia e em todas as noites que parecem não acabar. Quando a Inês me desafiou para esta sessão, não podia ter ficado mais feliz. Uma neta e uma avó, só pode ser uma narrativa feliz. A sessão aconteceu em Campo de Ourique, no bairro onde a avó trabalhou e viveu grande parte da sua vida. Percorremos a pé as ruas, desde a Igreja do Santo Condestável até ao Jardim da parada. Detivemos-nos nos cruzamentos para abraços e histórias. A Inês pedia a avó que não chorasse a recordar, mas a avó já não tem vergonha das lágrimas que escorrem quando o coração sente. A Inês reconhece na sua avó um pilar, uma mulher de força, uma referência. E como é uma miúda cheia de inteligência e coração, sabe que as pessoas boas da nossa vida se gozam em presença, para fazer durar ainda mais, na nossa memória. A Inês não é daquelas netas que só vê os avós em noites de consoada e dias de celebração. A Inês procura diariamente a avó, e não é apenas no consolo da voz num telefonema distante, é na mãos sobre as suas mãos. Enquanto fotografávamos a Inês revivia as histórias da avó, como quem sabe uma música de cor. A minha assistente estava tão comovida que se virava para limpar as lágrimas. Foi talvez das sessões mais ternurentas que fotografei, e se não tirei 1000 fotografias, foi porque gastei mais de 1000 segundos, para sorver em palavras boas, o que só as imagens mais felizes conseguem traduzir.

INES & AVO-22

INES & AVO-6

INES & AVO-8

INES & AVO-12

INES & AVO-31

INES & AVO-28

INES & AVO-17

INES & AVO-23

INES & AVO-25

INES & AVO-29

Comentar

Era uma igual para mim sff

alex01

Disse que não passaria deste Verão, sem uma sessão fotográfica com as minhas filhas da mãe.
Uma parecida às que faço todos os dias a famílias inteiras, a mães com filhas, pais com filhos, avós com netas, casais, noivos e todos os afins deliciosos das nossas uniões. É verdade que tenho toneladas de fotografias das minhas filhas, mas já não é tão verdade, que tenha um acervo composto de fotos com elas. De vez em quando, lá saco uma selfie manhosa de sorriso amarelo, mas o que eu queria era isto, uma tarde espontânea, em que o retrato éramos nós, na nossa relação, com tudo o que lhe cabe e compete de atrito, amor e de equilíbrio.
Quando termino a edição de sessões de família, como esta, da Alexandra e da filha, respiro fundo, fico mesmo feliz quando revejo nas fotografias as expressões. E mesmo quando há pose, o ambiente gerado é suficientemente honesto para pôr a descoberto, até a beleza do que isso tem.
O Verão ainda não acabou, a esperança vem comigo até Setembro, com a vantagem que tenho uma máquina nova, bem maneirinha, que dá para passar para mãos amigas e rezar para que saia bem. Agora, é só esperar que as loiras alinhem em estar uma horinha concentradas, entretidas, embevecidas e divertidas com a mãe. Talvez esteja a ser ambiciosa, mas não podia estar a ser mais honesta, quando olho para estas fotos e repito:
– Era uma igual para mim sff.

alex02

alex03

alex04

alex05

alex07

alex08

alex09

alex10

alex11

alex13

alex15

alex16

alex17

Comentar